Zimbábue inicia recontagem parcial de votos da eleição

Por Nelson Banya HARARE (Reuters) - O Zimbábue começou neste sábado uma recontagem parcial de votos das eleições de 29 de março, apesar dos esforços da oposição para bloquear essa medida e o temor generalizado de que o impasse político possa conduzir à violência.

Reuters |

A recontagem em 23 dos 210 distritos eleitorais pode provocar uma reviravolta nos resultados da eleição parlamentar, na qual o partido do presidente Robert Mugabe, o ZANU-PF, perdeu pela primeira vez a maioria das cadeiras para o oposicionista Movimento pela Mudança Democrática (MDC).

O ZANU-PF foi derrotado em 21 dos 23 distritos eleitorais na contagem original. Resultados da apuração dos votos para a presidência ainda não foram divulgados, mas o líder do MDC, Morgan Tsvangirai, diz que foi o vencedor.

'O processo de recontagem dos votos começou e será um exercício meticuloso. Esperamos que demore cerca de três dias', disse à Reuters um funcionário da Comissão Eleitoral do Zimbábue, que não quis dar seu nome nem divulgar nenhum detalhe.

Uma delegação de 14 países da Comunidade Sul-Africana de Desenvolvimento (SADC) participa da recontagem. Há o receio no Ocidente e entre a oposição no Zimbábue de que Mugabe esteja planejando fraudar o resultado.

O governista ZANU-PF decidiu fazer a nova contagem depois de ter acusado formalmente funcionários de terem aceitado suborno para descartar votos dados a Mugabe e seu partido, bem como de terem cometido outras fraudes eleitorais. Vários funcionários que trabalharam nas eleições foram presos depois disso.

Opositores acusam Mugabe, de 84 anos, de arruinar o país, que já foi próspero e hoje enfrenta o colapso da economia e uma elevada inflação de cerca de 165.000 por cento, responsáveis pela escassez crônica de água, alimentos e combustível, além de um índice de desemprego de 80% .

A demora em anunciar os resultados das eleições aumentou os temores da oposição de que a recontagem possa ser um golpe do governo para roubar a eleição. A segurança das urnas de votação é uma das preocupações da oposição.

No poder desde a independência do país da Grã-Bretanha, em 1980, Mugabe refutou as críticas de Londres e Washington, entre outras do exterior, e se prepara por um esperado segundo turno contra Tsvangirai.

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG