As autoridades zimbabuanas ignoraram a ordem emitida quarta-feira por um tribunal para que sejam internados em um hospital nove militantes de direitos humanos acusados de complô.

"A polícia não cumpriu a ordem do tribunal", disse a advogada Beatrice Mtetwa à AFP. "Duvido que o façam", acrescentou.

Jestina Mukoko, diretora da ONG Projeto de Paz do Zimbábue, dois funcionários e seis militantes foram acusados na quarta-feira de ter recrutado ou incitado pessoas a fazer treinamento militar em Botsuana com o objetivo de derrubar o governo do presidente Robert Mugabe.

O tribunal ordenou que eles sejam levados do local de detenção para um hospital, onde ficariam sob vigilância policial. Os nove acusados foram colocados em prisão preventiva até 29 de dezembro.

bur-ale/fp

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.