genocídio - Mundo - iG" /

Zimbábue culpa GB por epidemia de cólera e acusa Londres de genocídio

O ministro da Informação do Zimbábue, Sikhanyiso Ndlovu, afirmou nesta sexta-feira que a epidemia de cólera, que deixou quase 800 mortos no país, é o mesmo que um genocídio, e acusou a Grã-Bretanha de conduzi-lo.

AFP |

"A epidemia de cólera no Zimbábue é uma força de guerra química e biológica, um genocídio britânico contra o povo zimbabuano", declarou Ndlovu durante uma entrevista coletiva em Harare.

"Trata-se de um genocídio contra nosso povo", insistiu.

Na véspera, o presidente Robert Mugabe declarara o fim da epidemia de cólera, mas seu porta-voz voltou atrás nesta sexta-feira, afirmando que as declarações do chefe de Estado eram "sacrásticas".

Para a Organização Mundial da Saúde (OMS), a epidemia que começou no Zimbábue no início de agosto "ainda não está sob controle". Segundo a OMS, 792 pessoas já morreram e 16.700 estão infectadas no país africano.

"O cólera é um ataque racista contra o Zimbábue, planejado pelos antigos colonizadores que recrutaram seus aliados americanos e ocidentais para que possam invadir o país", alegou Mugabe.

"Gordon Brown (o primeiro-ministro britânico) deve ser levado ao Conselho de Segurança da ONU por ter ameaçado a paz mundial e propagado o cólera e o antraz com o objetivo de invadir o Zimbábue, nosso tão pacífico Zimbábue", sustentou.

Transmitida pelas águas usadas, a doença também está progredindo na África do Sul, onde 11 pessoas morreram, segundo a OMS.

Segundo diversas agências internacionais, 60.000 pessoas podem ser infectadas nas próximas semanas. Soma-se a isto o fato de que cerca de cinco milhões de zimbabuanos vão precisar de uma ajuda alimentar a partir de janeiro.

Esta crise humanitária, que revela a degradação das redes de água, de tratamento e do sistema de saúde no Zimbábue, acontece num país assolado por um marasmo econômico e uma paralisia político.

A oposição zimbabuana criticou nesta sexta-feira os comentários "negligentes e imprudentes" de Mugabe sobre o cólera.

"A epidemia ainda está entre nós e está se estendendo rapidamente pelas principais cidades e povos", disse Henry Madzorera, secretário da saúde do Movimento para a Mudança Democrática (MDC), principal força da oposição.

"Tais declarações negligentes e imprudentes não ajudam", acrescentou em um comunicado.

gm/yw/sd

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG