Zelaya pede às Forças Armadas que baixem as armas em Honduras

San Salvador - O presidente deposto de Honduras Manuel Zelaya pediu hoje de El Salvador às Forças Armadas de seu país que baixem seus rifles e não os apontem contra seus irmãos, ao condenar hoje a morte de uma pessoa em Tegucigalpa.

EFE |

"Apelo às Forças Armadas de Honduras que baixem seus rifles", declarou Zelaya em entrevista coletiva junto aos presidentes da Argentina, Cristina Fernández; Equador, Rafael Correa; Paraguai, Fernando Lugo; e El Salvador, Mauricio Funes.

Zelaya lamentou a morte de um jovem, no que descreveu como repressão contra uma manifestação pacífica, ao mesmo tempo em que se solidarizou com a família da vítima e as dos feridos.

O chefe deposto de Estado se pronunciou após os fatos registrados hoje em Tegucigalpa, onde seu avião não conseguiu aterrissar depois que militares obstruíram a pista do aeroporto Toncontín.

Durante a entrevista coletiva o secretário-geral da Organização dos Estados Americanos (OEA), José Miguel Insulza, disse que o órgão está disposto a "usar todos os meios diplomáticos possíveis para restabelecer o presidente Zelaya".

"Quero dizer que como secretário-geral da OEA estou disposto a seguir adiante com todas as gestões diplomáticas para obter nosso objetivo que não é uma intervenção, é um objetivo simplesmente de cumprir as normas que todos os países adotaram", assegurou.

Ele assinalou que a Carta Democrática Interamericana foi "assinada livremente por todos os países da região" e insistiu em qualificar como "uma ruptura grave da ordem constitucional" o ocorrido em Honduras.

Entenda:

Leia mais sobre: Honduras

    Leia tudo sobre: exércitogolpehonduras

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG