resistência perto da fronteira com Honduras - Mundo - iG" /

Zelaya organiza resistência perto da fronteira com Honduras

Ocotal (Nicarágua), 26 jul (EFE).- O presidente deposto hondurenho, Manuel Zelaya, informou hoje que pernoitará pelo terceiro dia consecutivo no município nicaraguense de Ocotal, a 25 quilômetros da fronteira com Honduras, organizando a resistência pacífica para tentar retornar ao seu país.

EFE |

Zelaya, que permanece em Ocotal acompanhado pelo ministro das Relações Exteriores venezuelano, Nicolás Maduro, e por seus colaboradores, fez esse anúncio depois de se reunir com seus seguidores.

O líder deposto ratificou que se manterá em "pé de luta", organizando a "resistência pacífica" e à espera de sua família e de mais seguidores para tentar retornar a Honduras e retomar o poder após o golpe de Estado de 28 de junho.

Depois de seu discurso diante de seus seguidores, em um centro recreativo, Zelaya se dirigiu em uma caravana rumo ao hotel Frontera, em Ocotal, onde se hospeda junto com o chanceler venezuelano e seus colaboradores mais próximos.

Durante o trajeto, o líder hondurenho fez uma parada em uma farmácia, mas não se sabe que tipo de remédio comprou.

Enquanto Zelaya, o chanceler venezuelano e seus colaboradores descansam no hotel Frontera, e são protegidos por policiais nicaraguenses, seus seguidores o fazem em albergues improvisados que montaram no parque e em um centro recreativo de Ocotal.

O governante derrubado anunciou ontem que instalaria um acampamento no lado nicaraguense da fronteira de Las Manos e distribuiria água e comida para fazer uma nova tentativa de entrar em seu país, algo que não ocorreu.

Zelaya dedicou o dia a visitar Ocotal e comunidades da fronteira, além de se reunir com seus seguidores.

O líder deposto disse que espera se reunir "a qualquer momento" no posto de Las Manos com sua esposa, Xiomara Castro, com sua filha Hortensia, e sua mãe, Hortensia Rosales.

Hoje, Zelaya exigiu que os Estados Unidos e a América Latina enfrentem "com força" o novo Governo de seu país, presidido por Roberto Micheletti, para tirá-lo do poder. EFE lfp/bba

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG