Tegucigalpa, 27 set (EFE).- O presidente deposto de Honduras, Manuel Zelaya, insistiu hoje durante uma missa em que o diálogo é a única saída para crise política vivida pelo país desde que foi derrubado, em 28 de junho.

Zelaya participou de uma missa celebrada hoje pelo sacerdote Andrés Tamayo na Embaixada do Brasil em Tegucigalpa, onde o governante deposto está refugiado desde segunda-feira passada, quando chegou de surpresa a Honduras.

A missa foi transmitida por veículos locais de imprensa em Tegucigalpa e retransmitida para outros do interior do país, todos aliados a Zelaya.

Cerca de 60 pessoas acompanham Zelaya na embaixada, entre elas familiares e simpatizantes.

O líder hondurenho reiterou que o pedido feito ontem aos cidadãos do país para que sigam rumo a Tegucigalpa com o objetivo de que o apoiem em sua restituição no poder é para que o façam "de maneira pacífica".

O ambiente em Tegucigalpa é de aparente calma hoje. Ontem à noite, o Governo de fato hondurenho deu um prazo de dez dias ao Brasil para que defina o status de Zelaya em sua embaixada na capital hondurenha.

Zelaya considerou tal atitude como uma ameaça a sua vida e ao Brasil. EFE gr/bba

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.