O presidente deposto de Honduras, Manuel Zelaya, confirmou que viajará neste domingo a Tegucigalpa, acompanhado de vários presidentes, e convocou a população para recebê-lo no aeroporto da capital.

"Estou organizando meu retorno a Honduras (...). Vamos nos apresentar no aeroporto internacional de Honduras em Tegucigalpa com vários presidentes, vários membros da comunidade internacional (...). Neste domingo, estaremos em Tegucigalpa", declarou Zelaya ao canal de notícias Telesur, com sede em Caracas.

O presidente pediu a seus seguidores que o acompanhem "sem armas" no aeroporto de Tegucigalpa, e exigiu a saída do atual governo, que chamou de "seita criminosa".

O apelo de Zelaya foi atendido por centenas de manifestantes, que se concentravam na zona do Aeroporto Internacional de Toncontin.

Os manifestantes planejam isolar a pista do aeroporto para garantir a chegada do avião de Zelaya.

Durante a manhã, milhares de pessoas, muitas procedentes do interior do país, ocuparam as ruas do centro de Tegucigalpa para exigir a volta de Zelaya à presidência.

"Queremos Mel", gritavam os manifestantes, que prometem ficar nas ruas da capital até a restituição do presidente.

Os manifestantes pretendiam chegar à Casa Presidencial, mas foram desestimulados pelas centenas de soldados que protegem a zona.

Milhares de partidários de Zelaya estão seguindo para Tegucigalpa, mas a viagem leva dias diante dos bloqueios montados nas estradas pelo Exército.

Na presidência desde janeiro de 2006, Zelaya foi preso por militares e expulso do país no domingo passado, por ter tentado organizar um referendo sobre a possibilidade de um segundo mandato presidencial, medida considerada ilegal pela Suprema Corte.

af/LR

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.