CARACAS (Reuters) - O presidente hondurenho deposto Manuel Zelaya anunciou nesta quinta-feira que voltará ao país nos próximos dias, pouco depois de os EUA anunciarem o corte parcial da ajuda econômica ao empobrecido país da América Central. O mandatário fracassou nas duas tentativas anteriores de retornar ao país desde que foi expulso por militares em 28 de junho. O governo de facto assegurou que resistirá à pressão internacional, que exige a restituição de Zelaya.

"Não renuncio voltar a meu país, nem terminar todos os dias de meu mandato (...) vou voltar a Honduras nos próximos dias", Zelaya disse à rede de televisão Telesur, financiada por seu aliado venezuelano, Hugo Chávez.

(Reportagem de Enrique Andrés Pretel)

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.