Zelaya descarta 2º mandato, mas reafirma plano de mudar Constituição

Nações Unidas, 30 jun (EFE).- O presidente derrubado de Honduras, Manuel Zelaya, disse hoje que não pretende se candidatar à reeleição quando seu mandato terminar, em 27 de janeiro, mas afirmou que seguirá adiante com seu projeto de mudar a Constituição do país.

EFE |

"Eu volto à vida civil, à vida cidadã, não à política", afirmou Zelaya na entrevista coletiva que concedeu após discursar na Assembleia Geral da ONU.

O presidente deposto destacou que a legislação hondurenha proíbe a reeleição presidencial e que qualquer reforma constitucional beneficiaria os próximos governantes.

Ressaltou ainda que, quando o mandato acabar, retomará a vida de empresário agrícola que deixou após ser eleito em novembro de 2005.

"Em Honduras não há reeleição. Não há nenhuma possibilidade, sob nenhum conceito", insistiu.

Zelaya também reafirmou a intenção de voltar a Tegucigalpa na quinta-feira para "tentar dialogar" com os golpistas que o derrubaram no domingo.

O presidente deposto declarou que, nessa viagem, será acompanhado pelos presidentes da Argentina, Cristina Kichner, e do Equador, Rafael Correa, e também pelo secretário-geral da Organização dos Estados Americanos (OEA), José Miguel Insulza, e o atual presidente da Assembleia Geral da ONU, Miguel D'Escoto.

"Não posso ficar fora do país com o que está acontecendo", afirmou Zelaya, que disse não temer a reação das autoridades militares com sua chegada a Honduras.

O novo Governo de Honduras reafirmou hoje que o presidente deposto violou a Constituição e as leis, por isso será preso se retornar ao país e condenado a até 20 anos de prisão.

"Quem me protegerá? O sangue de Cristo e minhas convicções", respondeu Zelaya à pergunta feita pela imprensa.

O governante deportado disse ainda estar convencido de que os mesmos militares que o detiveram e o mandaram para a Costa Rica com o apoio de outros órgãos estatais permitirão sua entrada no país para que retome suas funções.

"Eu acho que as Forças Armadas de Honduras vão se retificar", afirmou, acrescentando que a condenação internacional ao golpe militar facilitará seu retorno ao poder.

Um dos objetivos de Zelaya depois que voltar para Tegucigalpa é ouvir a opinião do povo hondurenho sobre mudanças na legislação que permitam a criação de mecanismos de consulta permanentes aos eleitores.

"O que queremos instaurar é um processo de participação cidadã, e é a isso ao que se opõem", disse.

O chefe de Estado deposto reafirmou a legalidade da consulta popular que provocou a crise em Honduras.

"Se cometi algo ilegal, que me levem a julgamento, que permitam me defender. O que não podem fazer é romper a ordem constitucional", destacou.

Zelaya pediu a seus seguidores em Honduras que expressem sua oposição ao golpe militar com paralisações, manifestações pacíficas e outros métodos de desobediência civil não violentos.

No discurso na Assembleia Geral da ONU, disse que "a elite" hondurenha tirou-o do poder porque pretendia introduzir mudanças que reduziriam as desigualdades sociais.

"Fui acusado de ser um populista, de ser um comunista que quer arruinar o país. Mas em Honduras há muitas injustiças oriundas da desigualdade", afirmou.

Antes do discurso de Zelaya, os 192 países da Assembleia aprovaram por unanimidade uma resolução que, além de condenar o golpe militar, pede a "imediata e incondicional" restituição do político como presidente "legítimo e constitucional" de Honduras.

"Esta resolução expressa a indignação do povo de Honduras e do resto da comunidade internacional", disse o governante derrubado.

Após o discurso na Assembleia Geral, Zelaya foi para Washington, onde participa de uma sessão extraordinária da OEA. EFE jju/sc

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG