Zelaya completa um mês na embaixada e impasse permanece

O presidente deposto de Honduras, Manuel Zelaya, completa nesta quarta-feira um mês na Embaixada do Brasil na capital do país, Tegucigalpa, sem sinais claros de que o impasse político no país centro-americano esteja próximo do fim.

BBC Brasil |


Nas últimas semanas, houve vários momentos em que negociações envolvendo representantes do líder deposto e do presidente interino, Roberto Micheletti, estavam progredindo e Zelaya poderia regressar ao poder antes das eleições presidenciais previstas para o dia 29 de novembro.

Mas nenhum dos sinais animadores se confirmou. Muitos, tanto em Honduras como entre a comunidade internacional, julgavam que a chegada de uma missão de alto nível da Organização dos Estados Americanos (OEA), no início deste mês, era um sinal de que o fim da crise estava próximo.

Reuters
Zelaya continua na embaixada brasileira

Zelaya continua na embaixada brasileira

Na ocasião, o encontro, transmitido ao vivo pela TV, entre os representantes da OEA e o presidente Micheletti deixou poucas dúvidas de que o líder interino estaria disposto a aceitar o regresso de Zelaya ao poder.

A OEA se despediu de Honduras no dia 8 de outubro sem haver alcançado um acordo, mas louvando o fato de que finalmente a facção governista e o grupo pró-Zelaya haviam dado início a discussões sem a presença de intermediários.

Divergências

As negociações entre os dois grupos, que, de início pareceram caminhar de forma tranquila, logo esbarraram em novas divergências - algumas até mesmo internas, como quando o líder sindical Juan Barahona, negociador de Zelaya, decidiu abandonar as reuniões após o líder deposto ter aceitado que não promoveria mais uma Constituinte se regressasse ao poder.

Zelaya instituiu um prazo, o dia 15 de outubro, para que um acordo fosse alcançado. Mas a data foi solenemente ignorada pelo governo interino, que trouxe à mesa de negociações uma nova exigência: a de que o retorno de Zelaya fosse decidido pela Suprema Corte do país.

O presidente deposto, que quer que o Congresso analise o tema, julgou isso inaceitável e caracterizou as negociações como quase mortas. "Todos esperam que o impasse seja rompido em um dia, em alguns dias ou algumas semanas. Mas tudo acaba voltando à estaca zero", afirma Riordan Roett, diretor do programa das Américas da Universidade Johns Hopkins, de Washington.

"Claramente, o clero, o Exército e o governo Micheletti são contra o regresso de Zelaya. E a oposição tem que aceitar uma série de exigências, se ele vier a regressar. Você tem fortes personalidades em disputa em um país pouco sofisticado, onde personalidades contam mais do que políticas.''

Para Roett, o impasse poderá se aprofundar ainda mais se o líder interino de Honduras seguir firme em sua estratégia de tentar ganhar tempo até a realização da eleição presidencial, que a comunidade internacional já disse que não irá reconhecer se Zelaya não for reimpossado.

"Se as condições atuais perdurarem, vai ser muito difícil que o presidente eleito seja visto internacionalmente como um líder independente e legítimo", diz o analista.

Histórico

Zelaya foi deposto em 28 de junho, quando um grupo de soldados invadiram o Palácio Presidencial de Tegucigalpa, tiraram-no da cama e o obrigaram a embarcar, ainda de pijamas, para a Costa Rica.

A ação que levou à queda de Zelaya foi a convocação de uma consulta popular, marcada para o dia da deposição do presidente, que indagaria se os eleitores aceitariam a formação de uma Asembleia Constituinte.

Segundo os rígidos termos da Constituição do país, a carta hondurenha não pode ser alterada mediante plebiscitos e o presidente do país só pode exercer um mandato. A oposição ao então presidente julgou que a consulta popular era uma manobra do então presidente de se perpetuar no poder.

O líder deposto regressou a Honduras clandestinamente em 21 de setembro e se refugiou na representação brasileira em Tegucigalpa juntamente com outras 60 pessoas.

Após manifestantes pró-Zelaya terem feito protestos em frente à Embaixada, o governo de Honduras criou um bloqueio contra a representação brasileira exercido por soldados e policiais.

Unindo extremos

A deposição de Zelaya foi considerada um golpe pela comunidade internacional, de forma quase unânime, unindo desde o líder da Venezuela, Hugo Chávez, até o presidente dos Estados Unidos, Barack Obama. O conflito acabou afetando até mesmo a indicação de representantes dos Estados Unidos para altos postos diplomáticos.

O senador republicano Jim DeMint, que apoia o governo Micheletti e já viajou a Honduras para expressar seu apoio às atuais autoridades do país, bloqueou no Comitê de Relações Exteriores do Senado a nomeação de Arturo Valenzuela, como secretário-assistente para Assuntos do Hemisfério Ocidental do Departamento de Estado - o mais alto cargo para as Américas na diplomacia americana.

Ele também vetou a indicação de Thomas Shannon, que deverá ser substituído por Valenzuela e foi indicado por Obama para ser o próximo embaixador dos Estados Unidos no Brasil.

Em entrevista à revista Foreign Policy, nesta semana, o senador DeMint disse que está disposto a liberar as duas indicações, mas que só o fará assim que os Estados Unidos indicarem que estão dispostos a aceitar o resultado da eleição hondurenha de 29 de novembro. Mas o governo americano já reiterou que só acatará o pleito se Zelaya for reconduzido à Presidência.


Leia mais sobre: Honduras

    Leia tudo sobre: hondurasroberto michelettizelaya

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG