Zardari defende reforma que suprime vestígios de regimes militares

Islamabad, 5 abr (EFE).- O presidente do Paquistão, Asif Ali Zardari, classificou hoje de histórica uma proposta de emendas constitucionais apresentada no Parlamento que corta seus próprios poderes executivos e expatria inúmeras modificações introduzidas na Carta Magna por diferentes regimes militares.

EFE |

"É um grande honra fazer parta da história que está restaurando a Constituição de 1973. (A reforma) fará a Constituição verdadeiramente democrática", afirmou Zardari em discurso à imprensa precedido de algumas vaias em uma sessão conjunta das câmaras.

O presidente paquistanês admitiu que "houve momentos de ansiedade e pensou que havia falhado", em referência aos meses de desacordos e polêmicas sobre a emenda, mas ressaltou que "a filosofia" de sua formação, o governante Partido Popular (PPP), tem como "base" o Parlamento, que sairá fortalecido com as emendas.

A reforma, que será debatida pelos legisladores esta semana antes de ser submetida à votação no dia 8 de abril, prevê cortes nos poderes da Presidência para dissolver o Parlamento, fechar o Governo ou nomear os chefes dos corpos de segurança do Estado e das instituições públicas.

Desde que assumiu a Presidência em setembro de 2008, a imprensa critica Zardari por aproveitar-se destas disposições, herdadas do regime de Musharraf, para manter uma maior parcela de poder. EFE igb/dm

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG