O presidente paquistanês Asif Ali Zardari anunciou nesta sexta-feira a decisão de autorizar novamente a atividade política nas zonas tribais do noroeste do Paquistão - proibida desde 1901 - para tentar pacificar estas regiões afetadas pelos talibãs e a Al-Qaeda.

"A partir de hoje, a atividade política poderá ser retomada nas FATA (Federally Administered Tribal Areas), os sete distritos tribais na fronteira com o Afeganistão", declarou Zardari durante um discurso por ocasião do 62º aniversário da independência do Paquistão.

Os sete distritos semiautônomos das FATA se transformaram em refúgio para os talibãs e seus aliados da Al-Qaeda desde o fim de 2001, quando uma coalizão internacional liderada pelos Estados Unidos expulsou do poder os fundamentalistas no vizinho Afeganistão.

Os colonos britânicos proibiram as atividades políticas nas FATA em uma lei de 1901 elaborada para reprimir a forte oposição das tribos pashtuns locais ao poder central da época.

O anúncio parece uma tentativa de aproximar as zonas rebeldes à esfera política nacional.

"A longo prazo, devemos vencer a ideologia rebelde para defender nosso país, nossas instituições e nosso modo de vida", declarou Zardari.

O Paquistão é um aliado chave dos Estados Unidos na guerra contra a Al-Qaeda e seus aliados em território paquistanês e afegão, onde estão mobilizados quase 100.000 soldados estrangeiros, a maioria americanos.

Islamabad e Washington anunciaram semana passada a provável morte daquele que é considerado o inimigo número um no Paquistão, Baitullah Mehsud, principal líder talibã no país, durante o ataque de um avião sem piloto americano no distrito tribal do Waziristão do Sul.

sjd-jm/fp

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.