Zapatero diz na França que ETA será perseguida sem descanso

Paris, 23 mar (EFE).- O presidente do Governo espanhol, José Luis Rodríguez Zapatero, declarou hoje que os integrantes da organização terrorista ETA deveriam sentir uma grave inquietação porque serão perseguidos sem descanso.

EFE |

Zapatero fez esta afirmação no Palácio do Eliseu depois de se reunir com o presidente francês, Nicolas Sarkozy, com quem liderou previamente na cidade de Melun, ao sudeste de Paris, o funeral de Jean-Serge Nérin, o primeiro policial francês assassinado pela ETA.

"Sentimos um grande pesar pela morte do policial francês, mas quem deve sentir uma grave inquietação são os membros da ETA, porque vão ser perseguidos sem descanso por duas grandes Polícias, conjuntamente, até acabar com a presença da ETA e sua existência neste país", afirmou.

Durante o funeral de Nérin, Sarkozy prometeu "tolerância zero" frente ao terrorismo e garantiu que a França não será "retaguarda e base" da ETA. Já no Eliseu, garantiu que a cooperação com a Espanha será "total".

O presidente francês agradeceu a Zapatero e ao ministro do Interior espanhol, Alfredo Pérez Rubalcaba, pela presença de ambos em Melun, enquanto Zapatero ressaltou a "coragem e o valor" da França em ajudar a Espanha na luta contra ETA.

O presidente do Governo espanhol explicou que, com sua presença no funeral, queria transferir aos familiares do policial falecido, à Polícia francesa e ao Governo e ao povo franceses o pesar e as condolências da Espanha.

"Nossa dor foi uma dor igual a nossa quando temos uma vítima da ETA", ressaltou.

"Os espanhóis nunca se esquecerão do apoio dado pela França na luta contra a ETA e pela liberdade e pela paz na Espanha", disse Zapatero.

Antes de falarem no Palácio do Eliseu, sem receber perguntas de jornalistas, Zapatero e Sarkozy tiveram um almoço de trabalho no qual também estiveram presentes Rubalcaba; o ministro do Interior francês, Brice Hortefeux; a ministra da Justiça francesa, Michèle Alliot-Marie; e o secretário de Estado espanhol de Interior, Antonio Camacho.

A luta contra a ETA e o futuro econômico da União Europeia (UE) e da zona do euro centraram o encontro, no qual ambos os Governos, segundo destacaram à Agência Efe fontes do Executivo espanhol, constataram a "excelente" cooperação das Polícias dos dois países contra o terrorismo.

No entanto, Zapatero e Sarkozy ratificaram seu desejo de redobrar esforços para acabar com a presença da ETA na França, onde 33 membros da organização terrorista foram detidos no ano passado.

As forças de segurança francesas continuam mobilizadas para localizar os sete supostos integrantes da ETA envolvidos no tiroteio em que Nérin morreu.

O único detido nessa ação foi Joseba Fernández Aspurz, que já está preso por ordem da Justiça francesa. EFE nl/bba

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG