Zapatero apóia controle dos países que não cumpram as regras nucleares

Washington, 13 abr (EFE).- O chefe do Governo espanhol, José Luis Rodríguez Zapatero, disse hoje que o acesso de grupos terroristas a materiais nucleares é um risco para a segurança coletiva e apoiou o consenso para controlar os países que não cumpram as regras internacionais em matéria nuclear.

EFE |

Em Washington, Zapatero ressaltou a importância de uma reunião que demonstre que "o multilateralismo ganha terreno". Ele elogiou assim o importante consenso sobre os riscos que a energia nuclear comporta e a "determinação política" para controlar os Governos que não cumpram com o marco jurídico internacional e as decisões das Nações Unidas.

Antes da segunda e última reunião da cúpula, Zapatero se reuniu com o presidente russo, Dmitri Medvedev, a quem felicitou por seu acordo com Obama e com quem debateu a necessidade de impor sanções ao Irã.

Medvedev se mostrou de acordo com a aplicação de sanções sempre que sejam razoáveis e Zapatero concordou que não se deve encurralar um país sem lhe deixar uma porta aberta.

O espanhol elogiou a aposta por ações preventivas tanto em nível nacional como internacional para garantir que os terroristas não tenham acesso a instalações e materiais nucleares e lembrou que, segundo dados do Organismo para a Agência Internacional de Energia Atômica (AIEA), a cada dois dias se detecta um incidente relacionado com o uso e ao tráfego de material radiológico no mundo.

Segundo explicou, Espanha cumpriu seus objetivos nesta matéria e assinou, além disso, todos os convênios internacionais relacionados com a segurança e o controle das armas nucleares.

O chefe do Executivo espanhol mostrou seu total respaldo à estratégia para reduzir armas nucleares anunciada há um ano por Obama em Praga e elogiou o novo acordo assinado recentemente entre Estados Unidos e Rússia com esse objetivo.

Zapatero considerou que a Rússia é "um grande aliado, imprescindível para a UE", e apostou por no estreitamento dos laços com este país porque, disse, deles dependem em boa medida a segurança e a estabilidade da União.

Com Medvedev concordou em assinar uma declaração antes do fim do semestre da Presidência espanhola da UE para articular um diálogo sobre segurança entre o bloco europeu e a Rússia. Para Zapatero, aprofundar nas relações energéticas, econômicas e de segurança com a Rússia é um "fator imprescindível" para a UE.

Zapatero se comprometeu também em viajar à Rússia em junho para impulsionar as relações bilaterais que, disse, atravessam um momento "muito propício". EFE nl/pb

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG