Zâmbia elege presidente da situação em meio a denúncias de fraude

Lusaka, 2 nov (EFE).- O líder do governamental Movimento pela Democracia Multipartidária (MMD), Rupiah Banda, foi eleito hoje novo presidente da Zâmbia, conforme anunciou a comissão eleitoral do país, acusada pela oposição de manipular os resultados do pleito.

EFE |

Nas eleições presidenciais realizadas na última quinta-feira, Banda recebeu o apoio de 718.359 eleitores e acumulou 40,09% dos votos, enquanto seu adversário político, do partido Frente Patriótica (PF), Michael Sata, conquistou 38,13% de apoio nas urnas.

Sata, que desde 25 de outubro denuncia que o MMD, juntamente com a comissão eleitoral, estava preparando a manipulação dos resultados, já anunciou que não aceita os números divulgados e que recorrerá.

"Não reconheceremos Banda como presidente da Zâmbia até que um tribunal nos dê uma razão" para isso, disse à imprensa a porta-voz da PF, Given Lubinda.

No entanto, os observadores da União Africana (UA) e da Comunidade para o Desenvolvimento da África Meridional (SADC) negaram as acusações de Sata e afirmaram que as eleições transcorreram com normalidade e não observaram nenhum fato que indique que o pleito tenha sido manipulado.

Ontem à noite, quando a comissão eleitoral anunciou os primeiros números que colocavam Banda na frente, os seguidores da PF em Lusaka saíram às ruas em sinal de protesto, mas foram rapidamente dispersos pela Polícia, que utilizou gás lacrimogêneo, informou à imprensa o porta-voz policial Benny Kapeso.

As eleições anteriores de 2006 registraram incidentes violentos, depois que Sata não admitiu os resultados oficiais, que deram como vencedor o candidato da MMD, partido que está há 17 anos no poder.

Embora no início a única pesquisa realizada e os primeiros resultados da comissão eleitoral pusessem o líder da oposição na frente de Banda, os últimos votos contados, que provinham das zonas rurais, deram a vitória ao líder do MMD.

Enquanto Sata recebeu o apoio da maioria dos cidadãos de Lusaka e das grandes povoações que subsistem graças à exploração do cobre, o MMD possui a maioria de seus seguidores nas zonas rurais, cujos votos demoram mais para serem contados devido à distância.

O novo chefe de Estado da Zâmbia, que em agosto assumiu o cargo de presidente interino depois da morte de Levy Mwanawasa, disse que seguirá com a política de desenvolvimento econômico de seu antecessor que estimulou um constante crescimento financeiro nos últimos anos.

Banda, que baseou sua campanha eleitoral em promessas de diminuição do desemprego e na construção de imóveis estatais, é um admirador confesso do atual presidente do vizinho Zimbábue, Robert Mugabe.

A cerimônia de posse, celebrada pouco depois do anúncio no palácio presidencial de Lusaka, foi acompanhada, entre ourtos, pelo presidente da África do Sul, Kgalema Motlanthe e por Mugabe.

"Unidos resistiremos, divididos fracassaremos", disse Banda durante a posse, na tentativa de acalmar os ânimos dos militantes da oposição.

Banda ocupará a Presidência até 2011, quando terminaria o mandato de Mwanawasa, e um novo pleito será realizado para um período de cinco anos de gestão. EFE mc/ab/rr

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG