Yukio Hatoyama, herdeiro de uma poderosa dinastia política

TÓQUIO - Yukio Hatoyama, líder da oposição, venceu de forma esmagadora e se tornou o novo primeiro-ministro japonês. Ele nasceu numa rica dinastia de políticos, frequentemente comparada aos Kennedy.

Redação com agências internacionais |

Este ex-engenheiro de 62 anos é neto do ex-primeiro-ministro Ichiro Hatoyama (1954-56), e filho do ex-ministro de Relações Exteriores Iichiro Hatoyama.


Hatoyama é o líder da oposição e favorito para ser o novo premiê / AP

No entanto, ao contrário de seu irmão, Kunio, que esteve em vários cargos ministeriais nos governos conservadores, Yukio Hatoyama rompeu com sua família política em 1993, deixando o Partido Liberal Democrático para fundar, três anos mais tarde, o Partido Democrático do Japão (PDJ, centro) com outros dissidentes e opositores.

Após liderar o partido entre 1999 e 2002, ele passou vários anos como braço direito do presidente do PDJ Ichiro Ozawa, sucedendo-o na sequência de sua saída, ligada a um escândalo político.

Graduado em engenharia pela Universidade de Tóquio (Todai), também estudou na Universidade de Stanford nos Estados Unidos antes de se tornar professor de economia na Universidade Senshu Tóquio.

Carreira política

Hatoyama começou sua carreira política ao ser eleito em 1986 em um distrito do norte da ilha de Hokkaido, onde sua família tem propriedades.

Mas ele nega ser "um político hereditário", como ocorre muitas vezes no Japão, onde cargos são ocupados pela mesma família de geração em geração em verdadeiros feudos eleitorais.

Posteriormente, foi reeleito seis vezes para a Câmara dos Deputados.

Além disso, Hatoyama pode ainda contar com o valoroso auxílio financeiro da família, já que seu avô foi fundador da fabricante de pneus Bridgestone.

Apesar da sua adesão à elite, o líder oposicionista prometeu lutar pelas pessoas comuns, alegando que pretende "construir uma sociedade fraterna e prosseguir sua política baseada no 'amor'".

Hatoyama afirma ainda que pretende quebrar o monopólio dos burocratas na administração e política do Japão, para reduzir o desperdício de dinheiro público e redistribuir rendimento para as zonas rurais e beneficiar os pobres.

Apaixonado por música clássica e por futebol, o político é casado com uma ex-atriz, Miyuki, e tem um filho, que é professor de engenharia em uma universidade em Moscou.

O humor parece ser uma das suas qualidades, como evidenciado por sua reação após ser apelidado de "ET", pelo formato peculiar do rosto. Longe de se ofender, ele encarregou o PDJ, em 2001, a vender adesivos com a sua caricatura como alienígena.

* Com AFP

Leia mais sobre eleições no Japão

    Leia tudo sobre: eleições no japão

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG