KIEV - O líder opositor pró-Rússia, Viktor Yanukovich, ganhou neste domingo o primeiro turno das eleições presidenciais na Ucrânia e enfrentará a primeira-ministra ucraniana, Yulia Timoshenko, no segundo turno.

De acordo com as pesquisas de boca-de-urna, Yanukovich e Timoshenko foram os mais votados dos 18 candidatos à chefia de Estado.

A lei eleitoral da Ucrânia estabelece que o segundo turno deve ocorrer no terceiro domingo depois do primeiro turno, ou seja, em 7 de fevereiro.

Diversas projeções apontam que o líder opositor recebeu cerca de 35% dos votos, enquanto a chefe do governo teria entre 25% e 27%.

O terceiro colocado deverá ser o banqueiro Serguei Tiguipko, com pouco mais de 13% dos votos, enquanto o atual presidente, Victor Yushchenko, estaria apenas em quinto lugar, com 5,61%, atrás do ex-presidente do Parlamento Arseniy Yatsenyuk, com 6,87%.

Timoshenko confia em conquistar esses votos para derrotar Yanukovich no segundo turno.

"Devemos fazer com que Yanukovich não obtenha um único voto a mais no segundo turno", ressaltou em seu primeiro comparecimento após o anúncio dos resultados das pesquisas de boca-de-urna.

Segundo Timoshenko, em conjunto, as forças democráticas conseguiram neste domingo mais de 60% dos votos.

Os eleitores de Tiguipko e Yatseniuk querem mudanças, disse. "Poderei garantir as mudanças que eles esperam", afirmou a primeira-ministra.

Para os que apoiaram Yushchenko e "querem que a Ucrânia seja um Estado independente e soberano, um Estado europeu", Timoshenko assegurou que "esse é o desenvolvimento da Ucrânia" que ela garantirá caso eleita.

"A partir de hoje, estou disposta a negociar para que as forças democráticas possam avançar juntas", disse Timoshenko.

Por sua parte, Yanukovich quer se desfazer do rótulo de pró-Rússia.

"O senhor é o candidato de Moscou?", lhe perguntou um jornalista francês.

"O senhor se atrasou cinco anos", respondeu e prometeu trabalhar "com a Rússia, a Europa, com todos os países do mundo" caso chegue à presidência.

Quanto a possíveis alianças, preferiu esperar os resultados oficiais para falar de negociações com os candidatos que ficaram fora da corrida presidencial.

"A apuração está sendo feita neste momento. Esperemos um pouco", disse Yanukovich.

No entanto, o comitê de campanha de Timoshenko acha que os eleitores que não votaram em Yanukovich no primeiro turno também não o farão no segundo, independentemente da decisão dos candidatos que ficarão de fora na próxima fase.

"Somos otimistas, porque não posso imaginar que os eleitores de Yatsenyuk, Yushchenko e outros votem por Yanukovich", disse Aleksandr Turchinov, chefe do comitê da campanha de Timoshenko, pouco depois do fechamento das urnas.

De acordo com a Comissão Eleitoral Central (CEC) da Ucrânia, o dia de votação transcorreu com calma e sem irregularidades capazes de questionar a validade do pleito.

Mais de três mil observadores estrangeiros acompanharam as eleições.

Os dados de participação eleitoral, ainda parciais, indicam que esta foi inferior à registrada no primeiro turno das eleições presidenciais anteriores, quando 74,92% dos 36,5 milhões de eleitores ucranianos foram às urnas.

Leia mais sobre Ucrânia

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.