WWF encontra mais de cem novas espécies em Bornéu

Uma lesma que dispara dardos de amor no acasalamento, um sapo sem pulmões e o inseto mais comprido do mundo estão entre as novas espécies de animais descobertas pelo grupo ambientalista WWF na ilha de Bornéu. Em relatório divulgado na quarta-feira, a ONG revela que o projeto conservacionista batizado como Coração de Bornéu, lançado em 2007, encontrou 123 novas espécies no território nestes três anos.

BBC Brasil |

Segundo Adam Tomasek, chefe da iniciativa, apesar de ser visitada por cientistas há séculos, a ilha ainda tem áreas em seu interior que nunca foram exploradas.

De acordo com a WWF, este Coração de Bornéu é uma "ilha dentro da ilha", abrigando dez espécies de primatas, mais de 350 diferentes aves, 150 espécies de anfíbios e répteis, e 10 mil de plantas - todos sem igual no mundo.

"Se esse trecho de floresta tropical puder ser preservado para nossos filhos, a promessa de mais possibilidades de descobertas será animadora para as próximas gerações", afirmou Tomasek.

Bornéu é compartilhada por Brunei, Indonésia e Malásia.

Em acordo firmado em 2007, os governos dos três países se comprometeram em aumentar as áreas de reservas ambientais, em desenvolver o ecoturismo e apoiar a administração de recursos sustentáveis da ilha.

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG