Funcionários da inteligência americana consideram que os arquivos de computador que associam o presidente venezuelano Hugo Chávez com a guerrilha colombiana das Farc são verdadeiros, informa a edição desta sexta-feira do Wall Street Journal.

"Há completa concordância na comunidade de inteligência de que estes documentos são o que dizem ser", disse um funcionário ao jornal sobre os arquivos que a Colômbia afirma terem sido tomados da guerrilha após um ataque a um de seus acampamentos em março.

Os arquivos mostram que a Venezuela fez ofertas concretas para ajudar a armar as Farc, segundo o WSJ, com base na revisão de mais de 100 documentos do computador de um de seus líderes, morto no ataque, em território equatoriano.

Nos documentos, a Venezuela oferece às Farc o uso de um porto no país para receber os envios de armas e parece planejar um plano de segurança conjunto, afirma o jornal.

Em um documento com data de novembro, o ministro venezuelano Ramón Rodríguez Chacin pede às Farc que treinem militares de Caracas em táticas de guerrilha, prossegue.

A Venezuela insiste que os documentos (que a Colômbia afirma ter retirado do computador de Raúl Reyes, número dois das Farc morto no ataque) são falsos.

"Não reconhecemos a validade de nenhum destes documentos", disse o embaixador venezuelano nos Estados Unidos, Bernardo Alvarez.

"São falsos e pretendem desacreditar o governo venezuelano", acrescentou.

O ataque militar colombiano contra o acampamento das Farc no Equador, em 1º de março, deixou 20 mortos, incluindo um equatoriano e quatro mexicanos.

Em resposta, o Equador rompeu relações com a Colômbia.

ksb/fp

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.