WikiLeaks: Pacificação de favelas no Rio prioriza área turística

Segundo documentos enviados pelo cônsul americano em 2009, autoridades planejavam invasão ao Complexo do Alemão no início de 2010

iG São Paulo |

Documentos diplomáticos dos Estados Unidos, divulgados pelo site WikiLeaks nesta terça-feira, mostram que o critério de seleção para pacificação de comunidades e favelas tomadas pelo narcotráfico no Rio de Janeiro leva em conta a localização em áreas turísticas da cidade.

Em telegrama enviado a Washington em novembro de 2009, o cônsul geral dos Estados Unidos no Rio de Janeiro, Dennis Hearne, conta o Superintendente de Planejamento Operacional do Estado do Rio, o delegado Roberto Alzir, explicou que a ideia é “priorizar favelas adjacentes a áreas repletas de turistas”.

Em reunião sobre as operações para o fim do domínio do tráfico, ao cônsul teria sido explicado que, além do peso estratégico e dos requisitos pedidos pelo governador Sérgio Cabral, priorizam-se locais famosos como o bairro de Copacabana, onde há a praia de fama mundial.”Alzir explicou que o principal objetivo da política de pacificação de favelas foi priorizar favelas adjacentes a áreas turísticas concentradas”, disse o telegrama.

Invasão

Em outro documento diplomático, de 22 de setembro de 2009, o cônsul contava ao Departamento de Estado americano que a intenção das autoridades no Rio de Janeiro era invadir o Complexo do Alemão no início de 2010 – e não no fim do ano como acabou ocorrendo.

"O secretário de Segurança Pública do Estado do Rio, José Maiano Beltrame, disse (...) que essa favela foi o 'epicentro da briga', e expressou que uma operação pacificadora poderia ter início no local no início de 2010", disse Hearne, ao exdplicar o ataque do Comando Vermelho – mesma facção que controlava o Complexo do Alemão – a um helicóptero da Polícia Militar.

"Dado que qualquer operação policial no Complexo do Alemão poderia ser 'traumático' em termos de escalada de violência, entretanto, é improvável que o aparato de segurança do Rio estaria preparado para lançar uma operação no Complexo do Alemão antes dos feriados de dezembro ou das festas de Carnaval, em fevereiro", explica o documento diplomático de 2009.

Em um outro documento ainda, enviado em 25 de setembro de 2009, o cônsul do Rio diz que Beltrame o Complexo do Alemão como "o principal alvo". Heaner explicou também que o secretário de Segurança do Rio havia dito que não era necessário tomar o controle de todas as favelas.

"Beltrame disse que apenas de 10 a 12 favelas, incluindo o Complexo do Alemão, seriam críticas para o programa. 'Não precisamos tomar 100 favelas. A violência real está concentrada apenas em uma dúzia', ele explicou".

No mesmo documento, o representante de Washington também comparou o programa de pacificação de favelas à estratégia de contrainsurgência utilizada pelos EUA nas guerras do Afeganistão e do Iraque.

    Leia tudo sobre: Documentos diplomáticosWikileaksEUARio de Janeiro

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG