Washington continua em alerta diante da chegada de nova nevasca

Paco G. Paz.

EFE |

Washington, 9 fev (EFE).- A área metropolitana de Washington, ainda parcialmente paralisada pela nevasca do final de semana passado, se encontra hoje em alerta diante de uma nova tempestade que ameaça deixar entre 25 e 50 centímetros de neve sobre a capital americana.

O Serviço Nacional de Meteorologia prevê para hoje uma intensa nevasca no Distrito de Columbia, onde fica Washington, e nos estados vizinhos da Virgínia e Maryland, isso depois dos 80 centímetros de neve que caíram há poucos dias, no chamado 'Snowmageddon', uma das tempestades de neve mais intensas de que se tem registro.

Especialistas dizem acreditar que a conjunção da nova tempestade - que, sozinha, pode ser uma das maiores dos últimos anos - com a do final de semana passado transforma este inverno no mais rigoroso dos mais recentes na capital americana.

Hoje, pelo segundo dia consecutivo, o Governo federal, que emprega cerca de 230 mil pessoas na região, manteve suas atividades suspensas, com a exceção dos funcionários dos serviços públicos e de emergência.

Os colégios também permanecem fechados devido à grande quantidade de neve nas ruas e nas estradas.

Em alguns condados, como em Loudoun, na Virgínia, os colégios já anunciaram que permanecerão fechados até depois do feriado do Dia dos Presidentes, comemorado neste ano no próximo dia 15, o que representa a perda de seis dias letivos para os estudantes.

Isso pode ser um problema, advertem as autoridades, para as milhares de crianças pobres que dependem das escolas para receber alimentação gratuita.

O Congresso dos Estados Unidos se viu obrigado a suspender as audiências previstas para hoje e adiou, sem data determinada, as que estavam programadas para os próximos dois dias.

Os cancelamentos afetaram, por exemplo, os pronunciamentos de amanhã do presidente do Federal Reserve (Fed, banco central americano), Ben Bernanke, sobre o futuro das medidas extraordinárias para enfrentar a crise - algo muito esperado pelos mercados - e do secretário do Tesouro, Tim Geithner, que explicaria os próximos orçamentos do país.

As empresas privadas reduziram suas atividades e as instituições culturais estão cancelando seus eventos. Enquanto isso, as companhias de fornecimento de energia elétrica trabalham contra o relógio para restabelecer o serviço a milhares de domicílios, já que a chegada da nova nevasca complicará a tarefa.

O transporte público funciona com muita dificuldade, e apesar de os funcionários da rede de transporte e do metrô terem pressa em desenterrar os veículos da neve, a chegada da nova tempestade provocará a interrupção dos serviços não subterrâneos nas próximas horas.

Enquanto isso, as equipes de limpeza estão se esforçando para retirar a neve acumulada nas vias principais da área metropolitana, mas não contam com recursos suficientes para limpar as ruas secundárias e as vias de acesso às estradas.

As três áreas afetadas, o Distrito de Columbia, Virgínia e Maryland, declararam estado de emergência, o que permitiu mobilizar a Guarda Nacional, que ficará de prontidão nas próximas 72 horas para atuar em emergências.

Os três aeroportos que atendem a capital americana mantiveram hoje seus serviços com uma relativa normalidade, apesar de advertirem aos passageiros sobre possíveis atrasos e cancelamentos de voos por causa da neve. EFE pgp/bba

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG