A Bolsa de Nova York fechou em alta nesta segunda-feira, impulsionada por uma série de indicadores positivos nos Estados Unidos. O Dow Jones subiu 1,30% e o Nasdaq, 1,53%." /

A Bolsa de Nova York fechou em alta nesta segunda-feira, impulsionada por uma série de indicadores positivos nos Estados Unidos. O Dow Jones subiu 1,30% e o Nasdaq, 1,53%." /

Wall Street fecha em alta, impulsionada por dados positivos nos EUA

A Bolsa de Nova York fechou em alta nesta segunda-feira, impulsionada por uma série de indicadores positivos nos Estados Unidos. O Dow Jones subiu 1,30% e o Nasdaq, 1,53%.

AFP |

A Bolsa de Nova York fechou em alta nesta segunda-feira, impulsionada por uma série de indicadores positivos nos Estados Unidos. O Dow Jones subiu 1,30% e o Nasdaq, 1,53%.

Segundo dados definitivos de fechamento, o Dow Jones Industrial Average aumentou 143,22 pontos, para 11.151,83 pontos, e o Nasdaq, formado especialmente por empresas de tecnologia, subiu 37,55 pontos, para 2.498,74 pontos.

O índice ampliado Standard & Poor's 500 subiu, por sua vez, 1,31% (15,57 pontos), para 1.202,26 pontos.

O principal índice da praça nova-iorquina começou a semana no verde, depois de registrar sua primeira baixa semanal em dois meses.

"Os novos indicadores econômicos dão provas da reativação" da economia, resumiu Scott Marcouiller, da Wells Fargo Advisors.

A atividade manufatureira nos Estados Unidos subiu mais que o previsto, com o indicador que mede o desempenho do setor, o ISM, em 60,4%, seu nível mais alto desde junho de 2004.

Além disso, os gastos com construção recuperaram-se inesperadamente em março, e os gastos dos consumidores americanos registraram seu sexto mês consecutivo de alta, sustentando o mercado de ações.

"Atualmente, no nível macroeconômico, o país mais atrativo para os investidores é os Estados Unidos", afirmou Gregori Volokhin, da Meeschaert New York.

"De um lado está a Europa, com seus problemas de dívida soberana e uma moeda que se enfraquece, e do outro está a China, que suscita dúvidas sobre sua política monetária, que se torna mais restritiva", explicou. "Estamos em uma situação na qual o mercado americano parece o mais seguro".

Os mercados europeus fecharam sem tendência comum, apesar do anúncio do plano de ajuda de 110 bilhões de euros colocado em prática pela União Europeia e pelo Fundo Monetário Internacional (FMI) para apoiar a Grécia.

"Há dinheiro que flui ao mercado na primeira sessão do mês, é o que se observa nos últimos oito meses", comentou Mace Blicksliver, da Marblehead Asset Management. "Mas o teste para o mercado serão as cifras (mensais) do emprego", a serem divulgadas na sexta-feira.

O mercado obrigatório teve baixa. O rendimento dos títulos do Tesouro de 10 anos subia para 3,705% contra 3,663% na noite de sexta-feira e os títulos de 30 anos eram negociados a 4,546% contra 4,527%.

gmo/sl/lb

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG