Vulcão custou cerca de US$ 3 bilhões ao turismo

Segundo União Europeia, prejuízos no setor ficaram entre US$ 2 bilhões e US$ 3 bilhões

EFE |

A Comissão Europeia, órgão executivo da União Europeia (UE), indicou nesta terça-feira que a crise provocada pela nuvem de cinzas do vulcão islandês custou à indústria turística do bloco entre 1,5 bilhão e 2,5 bilhões de euros (entre US$ 2 bi e US$ 3,3 bi) , segundo dados fornecidos pelas empresas prejudicadas - companhias aéreas, aeroportos e agências turísticas.

AP
As cinzas do vulcão, vistas em uma estrada da Islândia, se espalharam pelo norte da Europade (foto de 17/04)

"Precisamos avaliar o conteúdo desses números em escala europeia e em nível dos Estados-membros", advertiu em entrevista coletiva o comissário de Transportes da UE, Siim Kallas.

"Esses números são muito preliminares", assinalou Kallas. Segundo ele, além do impacto para companhias aéreas e aeroportos, há também outras perdas, como as registradas pelas agências de turismo.

No entanto, o comissário explicou que, no que se refere ao turismo, é preciso tratar o assunto com prudência. Embora muitas agências tenham perdido dinheiro com a crise, os hotéis, por outro lado, acabaram se beneficiando da situação para hospedar os passageiros que não puderam viajar no dia previsto.

"Tentamos levar em conta esses números mais elevados de outros setores também, mas não queremos complicar as coisas. Portanto, devemos nos concentrar primeiro no impacto para o setor aéreo, companhias aéreas e aeroportos", declarou.

    Leia tudo sobre: TurismoVulcãoUnião Europeia

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG