Votação pacífica e alta participação marcam as eleições na Bolívia

LA PAZ - Uma votação pacífica com participação em massa foi a marca das eleições departamentais e municipais realizadas neste domingo na Bolívia. Elas definirão o alcance do poder político de Evo Morales e da oposição.

EFE |

As zonas eleitorais instalados na Bolívia começaram a fechar desde as 16 horas locais (17 horas em Brasília) após oito horas de votação em uma eleição em que 5.059.453 eleitores estavam habilitados a votar.

Salvo incidentes menores, a principal característica da jornada eleitoral foi a tranquilidade e o comparecimento dos bolivianos às mesas de votação, segundo a Corte Nacional Eleitoral (CNE) e a Organização dos Estados Americanos (OEA).

AP
Evo acena para partidários ao chegar em seção eleitoral para votar

Evo acena para partidários ao chegar em seção eleitoral para votar

O ex-presidente do Panamá e chefe da missão de Observadores do organismo multilateral, Arístides Royo, disse que a votação se "desenvolveu de forma pacífica e com altos níveis de participação".

Mesmo diagnóstico do presidente da CNE, Antonio Costas, que considerou a votação "bem-sucedida" e o dia dedicado ao "complexo evento eleitoral".

Costas se referia à passagem decisiva que a Bolívia dará neste domingo em seu propósito de construir um Estado autônomo, porque, além de escolher os nove governadores do país, os eleitores designarão os 267 membros das novas assembleias departamentais, que pela primeira vez terão capacidade legislativa em seus territórios.

Os bolivianos também escolhem 337 prefeitos, 1.851 vereadores, oito subgovernadores, 11 executivos setoriais de desenvolvimento e 19 corregedores de setor, ou, no total, 2.502 novas autoridades.

Analistas críticos à administração Evo advertiram sobre o problema que supõe para o Estado esse elevado número de autoridades territoriais sem que tenha sido aprovada ainda a Lei de Autonomias, cuja apresentação perante a Assembleia Legislativa por parte do governo está prevista para os próximos dias.

Além disso, essas eleições podem desenhar um novo mapa político nos departamentos e nas prefeituras onde ainda existem redutos controlados por opositores ao presidente.

Evo, que como sempre votou em seu bastião cocaleiro do Chapare (centro), destacou que durante seu mandato presidencial a Bolívia aprofundou a democracia com a realização de diversos processos eleitorais e consultivos, ao contrário dos períodos políticos anteriores marcados, indicou, por golpes de Estado, ditaduras militares e a posterior "democracia pactuada".

"Vamos demonstrar que a Bolívia é um país democrático, que não somente se expressa na legitimidade, mas também na legalidade e na constitucionalidade", disse o presidente.

As pesquisas apontam para a vitória dos candidatos governistas em La Paz, Oruro, Potosí, Cochabamba, a vitória da oposição em Santa Cruz e Beni, e resultado indefinido em Tarija, Pando e Chuquisaca.

Em dezembro de 2005 Evo foi eleito presidente da Bolívia com um apoio do 53,7%, em julho de 2006, seu partido ganhou a eleição da constituinte (50,7%) e, em agosto de 2008, Evo venceu no referendo sobre mandatos (67,4%).

Em janeiro de 2009 se impôs nas urnas o projeto de nova Constituição (61,4%) e, em dezembro, ele conseguiu a reeleição para o período de 2010-2015 graças a um apoio do 64,2%.

Entre as incidências da jornada deste domingo destaca-se a denúncia do governo central de que a prefeitura interina de Tarija (sul) instruiu o fechamento da fronteira com a Argentina para evitar que os bolivianos residentes nas zonas próximas do país vizinho votassem.

No entanto, a Corte Eleitoral esclareceu posteriormente que o fechamento se trata de uma norma emitida por esse organismo, sendo vigente em todas as passagens fronteiriças do país.

Além disso, 300 pessoas foram detidas por descumprir o chamado "Auto de Bom Governo" que rege os processos eleitorais bolivianos e impede a circulação de veículos, salvo autorização expressa, e consumo de bebidas alcoólicas durante o dia de votação.

Leia mais sobre Bolívia

    Leia tudo sobre: bolívia

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG