Vôos são cancelados na Argentina por causa de vulcão chileno

BUENOS AIRES (Reuters) - As principais companhias aéreas da argentina cancelaram vôos à Patagônia na quarta-feira, devido à nuvem de cinzas que cobre a região devido à erupção do vulcão Chaitén, que fica do lado chileno da cordilheira dos Andes. As Aerolíneas Argentinas e a Austral, ambas controladas pelo grupo espanhol Marsans e detentoras de 80 por cento do mercado de vôos domésticos do país, informaram o cancelamento de vôos. A Lan Argentina, filial da chilena Lan, fez o mesmo.

Reuters |

Os quatro vôos cancelados das Aerolíneas Argentinas e da Austral tinham como destino as cidades de Trelew, Neuquén, Bahía Blanca e Bariloche.

'O fenômeno afeta os aeroportos mencionados, mas também poderia dificultar os vôos com outros destinos no sul do país, já que a nuvem de cinza e fumaça se mantém sobre a maioria das rotas aéreas da Patagônia', disse um comunicado das Aerolíneas Argentinas.

A empresa acrescentou que o aeroporto de Esquel está inoperante.

A Lan Argentina informou a suspensão de seu vôo matinal a Bariloche e disse à Reuters que já era possível perceber a impossibilidade da partida à noite. Outras duas empresas menores também suspenderam seus vôos à região.

As cidades argentinas próximas ao vulcão permaneceram cobertas de cinzas na quarta-feira. A recomendação de não andar pelas ruas continua, apesar de não haver nenhuma operação de esvaziamento das cidades.

A cidade chilena de Chaitén, a 10 quilômetros do vulcão, foi totalmente esvaziada na terça-feira, assim que se intensificaram as atividades do vulcão, que começou a expelir cinzas na sexta-feira.

O Chile é dono da maior e mais ativa cadeia vulcânica depois da Indonésia, com mais de 2 mil vulcões, dos quais cerca de 500 foram considerados potencialmente ativos. Destes, entre 50 e 60 têm registros de erupções.

(Reportagem de Lucas Bergman)

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG