Voo da Air France entre Rio e Paris desaparece com 228 a bordo

Paris/Rio de Janeiro, 1º jun (EFE).- Um avião da companhia Air France que decolou ontem à noite do Rio de Janeiro rumo a Paris com 228 pessoas a bordo continua desaparecido desde que os radares perderam contato com a aeronave durante sua passagem sobre o Oceano Atlântico.

EFE |

O Airbus A330-200 fez seu último contato com os controladores de voo brasileiros quando se preparava para entrar no espaço aéreo do Senegal, informaram hoje fontes oficiais.

Esse contato aconteceu no domingo à noite às 22h33 (horário de Brasília), segundo um comunicado do Comando da Aeronáutica.

"Às 22h33, o voo AF447 realizou o último contato via rádio com o Centro de Controle da Área Atlântica (Cindacta III) na posição Intol (a 565 quilômetros de Natal), informando que entraria no espaço aéreo de Dacar, Senegal (posição Tasil) às 23h20 local", afirma o comunicado.

Segundo a Força Aérea Brasileira, 15 minutos depois desse último contato, o avião saiu da área de alcance do radar do arquipélago de Fernando de Noronha (PE) e voava "normalmente a 35 mil pés de altitude e uma velocidade de 840 km/h".

O relatório brasileiro acrescenta que às 23h20 de Brasília, hora em que deveria entrar no espaço aéreo do Senegal, "a aeronave da Air France não realizou o contato de rádio previsto com o Cindacta III, o que foi informado ao Controle Dacar".

A FAB relatou que a companhia aérea lhe informou na manhã de hoje que, quando estava a aproximadamente 100 quilômetros da posição Tasil, o voo "enviou uma mensagem para a companhia informando sobre problemas técnicos na aeronave (perda de pressurização e falha no sistema elétrico)".

As operações de busca das autoridades brasileiras foram iniciadas às 2h30 a partir da base aérea de Recife.

A missão conta com a participação de um avião C-130 Hércules, de um P-95 Bandeirante de patrulha marítima e do Esquadrão Aeroterrestre de Salvamento.

O A330-200 da Air France, que fazia o voo AF447, saiu do Rio de Janeiro pouco depois das 19h com destino ao aeroporto Charles de Gaulle, na capital francesa.

A bordo do avião, viajavam 216 passageiros e 12 tripulantes, informou a companhia aérea em Paris.

A aeronave aparentemente atravessou uma região de difíceis condições meteorológicas próxima ao arquipélago de Cabo Verde, no litoral atlântico africano, o que pode ter provocado uma avaria elétrica, embora ainda não seja possível confirmar o que ocorreu exatamente.

A Air France reconheceu que não tem notícias do avião, que deveria ter pousado em Paris às 11h10 locais (6h10 de Brasília).

Devido ao tempo transcorrido desde o horário previsto para a aterrissagem, a empresa decidiu assumir a possibilidade de uma tragédia. Seu diretor-geral, Pierre-Henri Gourgeon, declarou: "Estamos diante de uma catástrofe aérea".

A Air France explicou que recebeu a informação da existência de uma "avaria elétrica" por volta das 4h14 locais (23h14 de domingo em Brasília), sem divulgar mais dados em relação com esse problema.

O diretor de comunicação da companhia, François Brousse, mencionou posteriormente a possibilidade de o aparelho ter sido atingido por um raio.

Segundo Brousse, as circunstâncias meteorológicas da zona de turbulências e tempestades poderiam explicar o que aconteceu com o Airbus A330-200.

A companhia já emitiu um comunicado no qual diz que compartilha a preocupação dos familiares dos passageiros e da tripulação e oferece números de telefone para fornecer informações sobre o ocorrido, mesmo com a escassez de dados.

Fontes aeroportuárias já chegaram a declarar que "não há esperança" para o voo AF447.

As autoridades francesas ainda não falam claramente sobre um acidente fatal com o avião, embora todos os elementos disponíveis apontem que tal hipótese seja a mais provável.

O ministro do Desenvolvimento Sustentável francês, Jean-Louis Borloo, que foi ao aeroporto Charles de Gaulle para acompanhar os trabalhos em relação ao desaparecimento da aeronave, declarou que, "aparentemente", a possibilidade de que o avião teria sido sequestrado deveria ser excluída.

"Infelizmente, a hipótese mais trágica deve ser considerada", declarou o ministro à rádio "France Info".

Borloo acrescentou que as autoridades brasileiras já tinham começado a rastrear o trajeto do avião no litoral do país.

Entretanto, devido ao horário do desaparecimento, diversos especialistas em navegação aérea opinaram que a aeronave já poderia ter ultrapassado o arquipélago de Cabo Verde rumo a Paris.

A Air France organizou no aeroporto Charles de Gaulle serviços de atendimento para familiares dos passageiros do voo AF447 e o Ministério de Assuntos Exteriores francês também disponibilizou informações sobre o avião desaparecido.

O presidente francês, Nicolas Sarkozy, anunciou que irá ao aeroporto ainda hoje e pediu ao Governo e às autoridades responsáveis para que investiguem o que ocorreu com o avião.

Especialistas em navegação e controle aéreo consultados em Paris manifestaram que dificilmente o avião perdeu o contato com os radares por alguma falha técnica se não o recuperou pouco depois, já que há maneiras de restabelecê-lo.

Além disso, afirmaram que o controle do voo seria passado a responsáveis do Senegal e depois da Espanha, para enfim chegar a controladores franceses.

As autoridades do Marrocos já excluíram a possibilidade de que o avião tenha caído no espaço aéreo do país. EFE jam-joc/bba-an

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG