Voluntários trabalham para levar eleitores às urnas nos EUA

Milhares de voluntários das campanhas dos candidatos presidenciais republicano, John McCain, e democrata, Barack Obama, estão fazendo ligações, distribuindo panfletos e batendo de porta em porta em uma tentativa de fazer com que o maior número possível de eleitores compareça às urnas na terça-feira, nos Estados Unidos. Apesar de mais pesquisas divulgadas neste domingo terem sugerido uma vantagem entre seis e sete pontos percentuais de Obama sobre McCain, o candidato republicano disse hoje em um discurso: Vamos ganhar a Pensilvânia, vamos ganhar esta eleição.

BBC Brasil |

Eu sinto isso e eu sei disso".

McCain pediu que seus partidários no Estado da Pensilvânia, considerado chave na corrida pela Casa Branca, façam o possível para convencer os eleitores a sair de casa para votar.

Já Barack Obama disse em um comício no Estado de Ohio, também considerado importante na corrida, que está "a dois dias de mudar a América".

"Em dois dias, vocês podem colocar um fim ao tipo de política que divide um país apenas para ganhar uma eleição", afirmou Obama.

Comédia
No sábado à noite, McCain participou do programa de TV Saturday Night Live, popular entre o público mais jovem.

McCain brincou com o fato de ser considerado "independente" do Partido Republicano, e com a falta de fundos para sua campanha.

"Sou um verdadeiro independente republicano: um republicano sem dinheiro", disse ele, fingindo vender produtos ligados à sua campanha em um canal de vendas pela TV a cabo - escolhido, disse ele, porque a campanha McCain-Palin não tinha dinheiro para pagar anúncios em redes nacionais de TV, como Obama.

Estados cruciais
Barack Obama participou de eventos em Colorado e Missouri no sábado, nos quais alertou contra a complacência e pediu aos eleitores democratas que votem.

"Não acreditem por um segundo que esta eleição já acabou", disse o senador pelo Estado de Illinois a uma multidão de 15 mil pessoas em Henderson, Nevada.

"Mas eu sei disso, Nevada, a hora de mudança chegou. Nós temos um vento justo a nosso favor."
Os candidatos têm se concentrado nos Estados vistos como cruciais para que eles vençam as eleições de terça-feira.

Falando aos eleitores em Newport News, Virgínia, McCain questionou as credenciais de Obama para liderar o país frente a "graves ameaças", como a Al-Qaeda ou a perspectiva de um Irã com armas nucleares.

Ele também atacou os planos fiscais do rival.

À tarde, McCain seguiu para a Pensilvânia, onde precisa vencer para ter alguma chance de chegar à Casa Branca, segundo analistas políticos.

Campanha
Obama estendeu sua campanha com propagandas em territórios tipicamente republicanos como os Estados da Geórgia, Dakota do Norte e Arizona - terra natal de McCain.

Pesquisas na Virgínia, Nevada e Colorado, que há quatro anos escolheram o candidato republicano, apontam para a vitória dos democratas.

O Missouri - onde os democratas mantêm uma ligeira vantagem - é visto como Estado vital por conta de seu histórico de ter apoiado quase todos os eventuais vencedores nas eleições, desde 1904.

A candidata à vice de McCain, Sarah Palin, fez campanha na Flórida, que votou pelos republicanos em 2004, mas onde o partido parece ter perdido a liderança nas eleições deste ano, segundo as pesquisas.

No sábado, foi revelado que a governadora do Alaska foi vítima de um trote telefônico por um comediante canadense fingindo ser o presidente francês, Nicolas Sarkozy.

Também foi revelado que uma tia paterna de Obama vive como imigrante ilegal nos Estados Unidos, depois de ter tido seu pedido de asilo rejeitado quatro anos atrás.

Obama disse que não sabia que a tia, Zeituni Onyango, estava no país ilegalmente e afirmou que as leis que cobrem a situação devem ser cumpridas.

Em sua última mensagem semanal transmitida pelo rádio antes da escolha de seu sucessor, o presidente George W. Bush pediu aos americanos que votem no dia 4 de Novembro.

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG