Vítimas do terrorismo pedem visibilidade durante congresso na Colômbia

Esther Rebollo. Medellín (Colômbia), 29 mai (EFE).- Vítimas de atos terroristas de diferentes países reivindicaram hoje visibilidade e compromisso social durante o 5º Congresso Internacional de Vítimas do Terrorismo, que acontece hoje e amanhã na cidade colombiana de Medellín.

EFE |

Esta edição do congresso foi aberta pelos Príncipes de Astúrias, herdeiros do trono espanhol, e pelo presidente da Colômbia, Álvaro Uribe, que repudiaram esse flagelo internacional e defenderam a paz.

Sob o lema "Temos direito à verdade e queremos construir memórias", o evento, organizado pela fundação Víctimas Visibles ("Vítimas Visíveis"), começou com um minuto de silêncio em memória de todas as vítimas do terrorismo pelo mundo.

Em seguida, a diretora da fundação, Diana Sofía Giraldo, disse que o objetivo é fazer com que os casos das vítimas sejam conhecidos. Alguns testemunhos serão ouvidos das bocas das próprias, que vêm de vários países.

Entre os depoimentos das vítimas, ganhou destaque o da colombiana Clara Rojas, ex-candidata à Vice-Presidência do país e refém das Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc) durante mais de seis anos.

Segundo Rojas, as vítimas do terrorismo só poderão seguir adiante se estiverem unidas e deixarem as ideologias de lado.

Acompanhada de seu filho, que nasceu em 2004 em plena selva colombiana durante seu cativeiro, a ex-refém afirmou que este evento é de máxima importância porque "deixa para trás as ideologias e as polarizações".

Já o espanhol Jesús Ramírez, ferido gravemente nos atentados cometidos pela Al Qaeda em 11 de março de 2004 em Madri, pediu maior consciência social sobre o problema e o uso de "todas as armas legais para destruí-la".

"O terrorismo afeta a todos, qualquer pessoa é uma vítima em potencial, todos os países devem se conscientizar do grave problema", acrescentou.

Ramírez, que tinha 49 anos quando foi vítima dos atentados que mataram quase 200 pessoas na capital espanhola, relatou que sua vida a partir desse momento "mudou radicalmente".

"Eu era um homem que amava meu trabalho, gostava de fazer esportes, de passear, conversar, coisas que podem parecer monótonas ou pequenas, mas são as que dão valor ao ser humano", afirmou, ao lembrar o longo tempo durante o qual só podia ver a rua através da janela de um hospital.

O drama de Ramírez, que ficou marcado para sempre física e psicologicamente, se uniu hoje ao de muitos outros, como a também espanhola Irene Villa, vítima de um atentado da organização terrorista ETA em 1991, quando tinha 12 anos e no qual perdeu suas duas pernas.

Entretanto, Villa surgiu em Medellín como um exemplo de perseverança e esperança para todas as vítimas e, nesse sentido, falou "da importância do perdão para seguir adiante, para superar a dor, para olhar a vida com otimismo".

"O importante é que a sociedade nos compreenda, nos torne visíveis. Na Espanha, as pessoas gostam de mim porque me conhecem, se não me conhecessem seria apenas uma amputada a mais", assegurou Villa em entrevista à Agência Efe.

Este primeiro dia do congresso também teve momentos de tensão, quando um grupo de parentes de reféns colombianos abandonou a grande sala do Teatro Metropolitano de Medellín ao escutar Álvaro Uribe fazer menção ao polêmico acordo humanitário reivindicado pelas Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc).

Timidamente, Uribe voltou a se manifestar contra uma troca de sequestrados por guerrilheiros presos, uma das exigências da guerrilha, sendo que muitos dos familiares dos reféns apoiam essa proposta.

As Farc têm em seu poder 22 policiais e militares colombianos que consideram "passíveis de troca" e que pretendem trocar por 500 guerrilheiros presos, alguns deles inclusive extraditados aos Estados Unidos.

Hoje, os familiares destes reféns também estiveram em Medellín para que suas vozes fossem escutadas.

A atual edição do congresso conta com a participação de vítimas de Espanha, Irlanda do Norte, EUA, México, Chile, Ruanda, Egito, Argentina e Colômbia. EFE erm/bba

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG