Vítimas de padres pedófilos fazem manifestação no Vaticano

ONG quer que as Nações Unidas declarem a pedofilia como um 'crime contra a humanidade'

EFE |

As vítimas de abusos sexuais por parte de padres católicos convocaram para este domingo uma passeata rumo à Praça de São Pedro, no Vaticano, para protestar contra o silêncio da Igreja Católica sobre o tema e pedir aos governos de todos os países que se esforcem para proteger as crianças.

A manifestação, que foi organizada pela associação americana Survivor's Voice ("Voz do sobrevivente", em tradução livre), recebeu a adesão de outros grupos internacionais e italianos que denunciam casos de abusos sexuais por parte de padres.

"Iremos ao Vaticano para denunciar, de novo, tantos casos que destruíram a vida de jovens e que só agora começaram a ser conhecidos", afirmou Marco Lodo Rizzini, ao anunciar a presença da associação do Instituto Provolo.

Os fundadores do Survivor's Voice, Bernie McDaid, 54 anos, e Gary Bergeron, de 47, ambos vítimas de abusos de um padre da diocese de Boston, explicaram em Roma que o objetivo da passeata é que o problema continue em evidência.

McDaid, que foi recebido por Bento XVI durante viagem do Pontífice aos Estados Unidos em 2008, disse que "não mudou nada" nestes dois anos, apesar das promessas do papa. Outro objetivo da manifestação é que as Nações Unidas declarem a pedofilia como um "crime contra a humanidade".

A concentração para a passeata está marcada para as 17h do horário local (14h de Brasília), no Castelo de Sant'Angelo, para, depois de um minuto de silêncio para lembrar todas as vítimas de abusos sexuais, marchar rumo à Basílica de São Pedro.

Como a concentração diante do Vaticano não foi autorizada pela Polícia italiana, é provável que os manifestantes tenham que se dispersar antes da chegada à Praça de São Pedro.

    Leia tudo sobre: pedofiliamanifestaçãovaticanoong

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG