Vítimas de confinamento e incesto agradecem policiais na Áustria

VIENA, Áustria- A família vítima de Josef Fritzl visitou e agradeceu os policiais responsáveis por sua proteção durante suas primeiras semanas de liberdade, afirmou a polícia local nesta quarta-feira.

AP |

Os investigadores dizem que Fritzl confessou ter mantido sua filha Elisabeth prisioneira durante 24 anos no porão de sua casa, onde abusou dela sexualmente e lhe deu sete filhos. Três dessas crianças foram criadas normalmente por Fritzl e sua mulher; três não viram a luz do sol até abril deste ano. Uma criança morreu.

A polícia de Ulmerfeld-Hausmening disse que as vítimas levaram presentes durante a visita na semana passada. Os policiais protegeram a família dos fotógrafos e visitantes indesejados que apareceram nos primeiros meses na clínica psiquiátrica para onde foram levados.

Johann Wagner, um dos agentes da estação de polícia, disse que entre os presentes estavam várias garrafas de vinho, bolos e um cartaz.

O jornal Kurier afirmou que o chefe de polícia Karl Gschoepf disse que Elisabeth e seus seis filhos apareceram "de repente".

"Esse foi um gesto muito simpático, ficamos emocionados", disse Gschoepf.

A família levou também um cartaz manuscrito no qual uma mensagem escrita por uma criança dizia: "Durante o momento inicial mais difícil vocês nos deram força e segurança. Sempre lembraremos disso com carinho".

As autoridades esperam poder acusar  Fritzl formalmente em setembro.

Leia mais sobre Josef Fritzl

    Leia tudo sobre: josef fritzláustria

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG