Visita ministro norte-coreano Exteriores à China mostra sinais de diálogo

Pequim, 2 set (EFE).- O ministro de Assuntos Exteriores da Coreia do Norte, Kim Yong-il, chegou a Pequim para uma visita qualificada pelos analistas como um sinal positivo em direção ao diálogo, em um contexto de necessidade econômica no regime de Kim Jong-il, informou hoje o jornal China Daily.

EFE |

Embora o Ministério de Assuntos Exteriores da China não vinculou a visita de Kim com o diálogo multilateral para o desarmamento nuclear norte-coreano, paralisado há meses, os analistas citados pelo jornal consideram que o regime do líder Kim Jong-il está aberto a diálogos.

Segundo Jin Canrong, catedrático da Universidade Popular da China, a visita de Kim indica uma "mudança de tática" por parte de Pyongyang para superar a estagnação do conflito e as sanções impostas pela ONU após seu teste nuclear de maio e seus posteriores lançamentos de foguetes.

As sanções e uma precária colheita pioraram a já paupérrima situação econômica no regime norte-coreano, pelo que os analistas veem lógico que Pyongyang se aproxime a Pequim, seu principal parceiro internacional e fornecedor.

A chegada da delegação liderada pelo ministro norte-coreano acontece após uma visita a Pyongyang de Wu Dawei, máximo negociador chinês no diálogo estagnado e coincide também com os 60 anos de relações diplomáticas entre ambos os países.

"É muito provável" que durante a visita de Kim se troquem ideias sobre o conflito nuclear norte-coreano, assinalou Fan Jishe, especialista na Coreia do Norte da Academia Chinesa de Assuntos Sociais.

O Ministério chinês de Assuntos Exteriores assinalou em comunicado que em agosto a Coreia do Norte deu sinais positivos, o que sugere um alívio da tensão na península coreana após a libertação das duas jornalistas americanas e de dois pescadores sul-coreanos.

Segundo o professor Fan, durante a visita de Kim, a China aproveitará a oportunidade para convidar a Coreia do Norte a retornar ao diálogo, concretamente com os Estados Unidos. EFE mz/fk

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG