Violência impedirá eleições livres no Zimbábue, diz Human Rights Watch

Johanesburgo - Os crescentes níveis de violência política acabaram com qualquer esperança de serem realizadas eleições livres e justas no dia 27 de junho no Zimbábue, afirmou hoje em comunicado a organização pró-direitos humanos Human Rights Watch (HRW).

EFE |

"Desde que o segundo turno da eleição foi anunciado, a violência no Zimbábue aumentou", disse Georgette Gagnon, diretora da HRW na África. "O povo do Zimbábue não pode votar livremente se teme que isto possa acabar com sua vida", acrescentou.

A HRW elaborou um extenso relatório no qual denunciava que pelo menos 36 pessoas foram assassinadas por razões políticas desde o primeiro turno das eleições, em 29 de março, e mais de duas mil pessoas foram vítimas de violência.

"Documentamos inúmeros incidentes de seqüestros, espancamentos, torturas e massacres realizados pelos oficiais e partidários do partido no poder, a União Nacional Africana do Zimbábue (Zanu, em inglês)", disse a HRW em seu comunicado.

"O Zanu e seus aliados estabeleceram por todo o país campos de tortura e de reeducação totalmente abusivos para obrigar os membros do Movimento para a Mudança Democrática (MDC, em inglês) - partido de oposição - a votarem em Mugabe", publica a HRW no relatório.

Centenas de pessoas foram vítimas de agressões, em alguns casos mortais, com troncos, chicotes, correntes de bicicleta e outros objetos durante as reuniões nos campos de "reeducação".

Segundo o relatório, mais de três mil pessoas fugiram da violência e precisaram ir para cidades e povoados espalhados por todo o país, em locais onde não têm (as pessoas) acesso adequado a comida e água. Além disso, um número desconhecido de pessoas deslocou-se para os países vizinhos de Moçambique, Botswana e África do Sul.

"O presidente Mugabe e o Governo do Zimbábue são os responsáveis absolutos por estes sérios crimes", declarou Georgette Gagnon no comunicado publicado hoje.

"Os membros da União Africana (AU) e da Comunidade para o Desenvolvimento da África Austral (SADC) não deveriam ignorar a situação", disse Gagnon. "Deveriam deixar claro ao Zimbábue que não aprovarão as eleições e seus resultados se o Governo não tomar medidas imediatas para acabar com a violência", acrescentou.

O presidente do Zimbábue, Mugabe, e o líder da MDC, Morgan Tsvangirai, vão se enfrentar em 27 de junho no segundo turno das eleições presidenciais.

No primeiro turno, realizado em 29 de março, Mugabe perdeu o poder no Parlamento pela primeira vez em 28 anos.

O segundo turno das eleições presidenciais será necessário, pois nenhum dos partidos conseguiu a maioria absoluta exigida no país para ser declarado vencedor.

O MDC nunca aceitou o resultado do primeiro turno, publicado mais de um mês após a votação, e no qual conseguiu 47,9% dos votos válidos.

"Isto é um escândalo, um 'roubo à mão armada', não podemos acreditar", disse o porta-voz do MDC, Nelson Chamisa, ao tomar conhecimento dos resultados.

Leia mais sobre: Zimbábue

    Leia tudo sobre: zimbábue

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG