Violência entre tribos deixa dezenas de mortos no Sudão do Sul

Roubo de gado deixa entre 40 e 70 vítimas; no Sudão, Exército diz ter libertado 14 chineses sequestrados por rebeldes

iG São Paulo |

Um ataque da tribo Lu Nuer a uma comunidade da tribo Dinka deixou dezenas de mortos em Warrap, no Sudão do Sul, afirmaram autoridades do país nesta segunda-feira. O número de vítimas ainda é incerto: 40 segundo a rede BBC e 70 de acordo com a agência Associated Press.

O ataque teria acontecido no sábado, quando integrantes da tribo Lu Nuer invadiram a comunidade e roubaram quatro mil cabeças de gado.

Leia também: ONU lança operação para ajudar vítimas de confronto no Sudão do Sul

O ministro do Interior do Sudão do Sul, Manani Magaya, acusou o governo do Sudão de ter armado a milícia Lu Nuer. Ele, porém, não ofereceu provas ou identificou a milícia.

Desde dezembro, roubos de gado e confrontos entre comunidades Lu Nuer, Murle e Dinka mataram centenas no Sudão do Sul, que declarou sua independência em relação ao Sudão em julho. Os principais choques aconteceram em Jonglei .

Chineses libertados no Sudão

Nesta segunda-feira, o Exército do Sudão disse ter libertado 14 trabalhadores chineses que tinham sido sequestrados no sábado por rebeldes do Movimento Popular de Libertação no Estado de Cordofão do Sul.

Os chineses estavam em bom estado de saúde e foram levados à cidade de El Obeid. Não há informações sobre a operação ou sobre o que aconteceu com os demais sequestrados, que seriam 15 chineses e 14 sudaneses.

Os chineses que trabalhavam na construção de uma estrada na região de Rashar, noroeste da província. A região tem grande valor estratégico no Sudão, já que é a mais rica em petróleo do país desde a separação com o Sudão do Sul.

Com AP, BBC, AFP e EFE

    Leia tudo sobre: sudãosudão do sulchinasequestro

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG