Comparecimento de eleitores é baixo nas primeiras horas da votação que deve reeleger a presidenta vencedora do Nobel da Paz

Sob tensão e com ameaça de um boicote da oposição, a Libéria realiza nesta terça-feira o segundo turno de sua eleição presidencial, em que a presidenta Ellen Johnson-Sirleaf, vencedora do Prêmio Nobel da Paz , deve ser reeleita por ampla margem.

A votação começou com baixo comparecimento às urnas. Queixando-se de parcialidade das autoridades eleitorais a favor da presidenta, o candidato da oposição, Winston Tubman, conclamou seus seguidores a boicotarem a votação .

Leia também: Presidenta da Libéria e mais duas mulheres dividem Nobel da Paz

Funcionária espera por eleitores em local de votação em Monróvia, na Libéria
AFP
Funcionária espera por eleitores em local de votação em Monróvia, na Libéria

"Me sinto bem, exerci o meu direito", disse a estudante Bellevilley Armah, que votou no Colégio William Tubman - nome que homenageia um ex-presidente, tio do atual candidato da oposição. Questionada sobre a pouca presença de eleitores nas filas, Armah afirmou: "Talvez eles estejam com medo pelo que aconteceu ontem."

Na segunda-feira, integrantes do partido de oposição, o CDC, entraram em confronto com a polícia , em incidentes que deixaram pelo menos um morto.

Um policial foi preso por forças de paz da ONU após admitir o uso de munição real contra manifestantes, segundo o inspetor da polícia local.

A Anistia Internacional pediu uma investigação rigorosa sobre os confrontos da segunda-feira e recomendou calma a todos os liberianos.

Tubman, ex-embaixador liberiano na ONU, usou os incidentes para criticar Johnson-Sirleaf. "Isso mostra a vocês por que o povo liberiano está determinado a se livrar dessa líder. Ela é alguém que usa a violência contra pessoas pacíficas", afirmou.

As rádios King FM e Love FM - vistas como simpáticas a Tubman e a seu candidato a vice, o ex-jogador de futebol George Weah - foram fechadas durante a madrugada.

Paul Mulbah, gerente da Love, disse que policiais armados chegaram na hora do noticiário da rádio. "Eles colocaram um jornalista sob a mira de armas e o mandaram sair. Trouxeram uma liminar baseada em queixas do ministro da Justiça e do ministro das Comunicações", afirmou. "É lamentável, voltamos aos velhos tempos."

A segunda eleição democrática na história da Libéria serve como termômetro para os avanços políticos no país depois da guerra civil que terminou em 2003. Se bem-sucedida, ela pode atrair investimentos externos para ajudar a nação africana a desenvolver seus recursos naturais. Do contrário, pode prenunciar uma nova fase de instabilidade para a Libéria.

Com Reuters

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.