Vídeos de ataques epiléticos no YouTube geram protestos

Ativistas que defendem os direitos de pessoas portadoras de epilepsia na Grã-Bretanha criticaram a divulgação, pelo site YouTube, de vídeos de pessoas tendo convulsões. A Sociedade Nacional para Epilepsia da Grã-Bretanha (NSE, na sigla em inglês) afirmou que alguns dos vídeos, não todos, são só para satisfazer o voyeurismo dos internautas, sendo equivalentes modernos dos shows de aberrações populares durante o século 19.

BBC Brasil |

No site de compartilhamento de vídeos há muitos clipes de pessoas tendo convulsões e outros mostrando pessoas fingindo ter convulsões. Alguns destes vídeos foram assistidos por mais de 70 mil pessoas.

A NSE revelou a preocupação de que algumas das imagens tenham sido colocadas no YouTube sem a permissão das pessoas que tiveram as convulsões.

Segundo Sallie Baxendale, neuropsicóloga da NSE, parece claro que vários vídeos foram gravados nas ruas, com telefones celulares.

Mas, segundo a médica, algumas das imagens podem ter sido feitas durante consultas médicas, e mostram a pessoa passando por um eletroencefalograma para monitorar as ondas cerebrais.

Comentários
Segundo Baxendale, os comentários postados no YouTube a respeito das imagens foram, geralmente, solidários.

Mas uma minoria sugeriu que a pessoa sofrendo a convulsão poderia estar possuída e necessitaria um exorcismo.

A médica afirma que imagens de convulsões epiléticas poderiam ajudar a aumentar os conhecimentos das pessoas sobre o problema.

"Não estamos falando 'estas imagens não deviam ser divulgadas, parem agora', mas é algo para se pensar. É algo bom ou ruim? Não tenho certeza", afirmou.

Comunidade
O site afirmou que analisou e retirou o material que considerou impróprio.

"O YouTube tem polícias claras que proíbem material inapropriado. Nossa comunidade (de usuários) compreende as regras e políticas do site para vídeos inadequados", disse um porta-voz do site.

"Quando os usuários acreditam que o conteúdo é impróprio, eles podem denunciar isso, e nossos funcionários vão analisar o mais rápido possível se (o material) viola nossos termos de uso", acrescentou.

"Se os usuários desrespeitam estas regras várias vezes, desativamos suas contas."

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG