Os talibãs divulgaram pela primeira vez neste domingo um vídeo do soldado americano capturado no Afeganistão, onde o refém lançou um apelo à retirada das tropas estrangeiras do país, uma mensagem reconhecida por Washington, que denunciou uma operação de propaganda.

No vídeo, de 28 minutos, do qual o link na internet foi dado a um correspondente da AFP pelo porta-voz dos talibãs Zabihullah Mujahed, o jovem soldado aparece de cabeça raspada e barba rala, vestido com uma camisa comprida azul clara típica dos afegãos, sentado sobre um travesseiro.

O Pentágono indicou que se trata do soldado Bowe Bergdahl, de 23 anos.

Ele é o primeiro soldado americano capturado pelos talibãs desde o início da intervenção internacional no Afeganistão no fim de 2001.

Nesta gravação não há armas nem combatentes armados.

Os primeiros segundos deste vídeo mostram o jovem nervoso, aparência assustada, com sua identidade confirmada nas placas militares que aparecem na câmera. Em seguida, ele aparece mais calmo, durante a mensagem, mas fica nervoso no fim novamente, com a voz trêmula, principalmente quando fala de sua família.

Ele disse ter 23 anos, ser originário do Estado americano de Idaho e ter sido enviado para a base da província de Paktika (sudeste).

O Exército americano anunciou em 2 de julho passado que ele havia desaparecido havia três dias de uma base militar desta província, e que sem dúvida havia sido sequestrado por rebeldes. Os talibãs confirmaram em seguida a captura, afirmando ainda que ele estava embriagado quando foi preso.

O vídeo mostra Bergdahl respondendo em inglês a um homem escondido que lhe pergunta, também em inglês, uma série de questões muito orientadas sobre as razões da "invasão das tropas internacionais no Afeganistão, sobre as vít8imas civis de suas operações, os abusos praticados contra os prisioneiros afegãos e os insultos ao islã".

"Invadimos um país independente, e um povo independente", diz o soldado.

"Minha mensagem ao governo americano é que ele deve retirar suas tropas do Afeganistão, porque aqui não é nosso país", acrescentou, antes de se dirigir a seus compatriotas americanos.

"Vocês têm o poder de pressionar o governo para retirar as tropas, por favor, levem-nos de volta para casa!", pediu o soldado americano.

Ele, que aparece tomando chá e comendo, disse estar sendo bem tratado pelos talibãs, que ele descreve como pessoas normais que "combatem por suas crenças, sua religião e seu país".

Em Cabul, um porta-voz do exército americano autentificou o vídeo, denunciando um instrumento de propaganda dos talibãs.

"O exército americano condena a difusão deste vídeo pelos rebeldes e o fato de eles explorarem o soldado para sua propaganda", declarou, acrescentando que as forças americanas e da coalizão estão fazendo de tudo para encontrar o soldado e trazê-lo de volta são e salvo.

str-emd/lm/dm

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.