Vice-primeiro-ministro assume o poder na Tailândia

Bangcoc - O vice-primeiro-ministro tailandês, Chaovarat Chanweerakul, assumiu hoje o cargo de chefe do Executivo provisório em substituição a Somchai Wongsawat, destituído pelo Tribunal Constitucional.

EFE |

Chanweerakul assume o Governo provisório enquanto ainda se desconhece se haverá dissolução do Parlamento, ou se os deputados do governante Partido do Poder do Povo criarão uma nova legenda para apresentar um novo primeiro-ministro.

Dissolução de partidos

O Tribunal Constitucional ordenou hoje a dissolução do partido do primeiro-ministro da Tailândia, Somchai Wongsawat, ao declará-lo culpado de fraude eleitoral.

EFE

Ex-primeiro-ministro da Tailândia

A decisão está ligada à investigação aberta sobre o Partido do Poder do Povo (PPP) pelas irregularidades cometidas por vários de seus políticos nas eleições de dezembro de 2007.

Pouco depois, o Tribunal Constitucional anunciou a dissolução dos partidos da coalizão governamental Chart Thai (Nação Tailandesa) e Matchimathipatai (Pela Democracia), também declarados culpados de fraude eleitoral.

A decisão inclui a inabilitação de 37 destacados membros do PPP, incluído Wongsawat, durante cinco anos.

"O tribunal tomou esta decisão para criar um exemplo político e um modelo. Estes partidos políticos minaram o sistema democrático da Tailândia", declarou o presidente do tribunal, Chat Chalavorn.

O PPP é considerado a "reencarnação" do Partido Thai Rak Thai (Tailandeses Aman o Tailandês), fundado pelo ex-primeiro-ministro deposto Thaksin Shinawatra, e também dissolvido pela Justiça em maio do ano passado por motivos similares.

O Chart Thai, liderado pelo ex-primeiro-ministro Banharn Silapa-archa, é um dos partidos políticos mais antigos da Tailândia, enquanto o Matchimathipatai e o PPP foram criados para concorrer nas eleições realizadas em dezembro de 2007.

A medida poderia pôr fim à crise iniciada há seis meses pelos seguidores da Aliança do Povo, que tomaram a sede do Governo em agosto e mantêm paralisados os dois principais aeroportos da capital há uma semana, para forçar a queda do Executivo de Wongsawat.

O antecessor no cargo de primeiro-ministro, Samak Sundaravej, membro do PPP, resistiu à pressão dos manifestantes até que o mesmo tribunal lhe tirou do cargo.

Mais de mil seguidores do Governo protestam agora em frente à sede judicial para apoiar o primeiro-ministro.

Os líderes do protesto em frente ao tribunal pediram a seus seguidores que marchem em direção à esplanada de Sanam Luang, próxima ao Palácio Real, para se organizar.

Em setembro, a Comissão Nacional Eleitoral declarou o partido governante culpado de comprar votos durante o último pleito, e recomendou ao Tribunal Constitucional que ordenasse sua dissolução.

A Carta Magna, aprovada no ano passado a pedido do Governo pró-militar, estabelece que qualquer partido que viole a lei eleitoral deverá ser dissolvido e seus líderes inabilitados para exercer a função pública durante um período mínimo de cinco anos.

Durante a madrugada, pelo menos uma pessoa morreu e outras 20 ficaram feridas na explosão de uma granada lançada contra membros da Aliança no aeroporto de Don Muang.

    Leia tudo sobre: tailândia

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG