Vice-presidente dos EUA apoia entrada da Sérvia na UE

Belgrado, 20 mai (EFE).- O vice-presidente dos Estados Unidos, Joseph Biden, deu hoje, em Belgrado, seu apoio à Sérvia no caminho para a União Europeia (UE), apesar das profundas divergências entre os dois países a respeito da independência do Kosovo.

EFE |

"Cheguei com a mensagem de que os Estados Unidos querem aprofundar as relações com a Sérvia, com a região, e ajudar a Sérvia a ser um país forte, bem-sucedido e democrático, membro da comunidade euroatlântica", disse Biden, após a reunião com o presidente sérvio, Boris Tadic.

Biden quis ressaltar "o forte apoio dos EUA à integração da Sérvia na UE", e qualificou o país de crucial para o futuro do sudeste europeu.

O vice-presidente dos EUA disse que as duas partes devem encontrar uma forma de entrar em acordo sobre os aspectos nos quais divergem, principalmente sobre o Kosovo, cuja independência unilateral tem o apoio americano.

"Os EUA não esperam que a Sérvia reconheça o Kosovo. Essa não é uma condição para o aprofundamento de nossas relações nem para o apoio americano às integrações européias da Sérvia", ressaltou Biden.

No entanto, disse que "esperamos que a Sérvia coopere com a UE e com outros organismos internacionais e busque soluções pragmáticas para que melhore a vida de todos os cidadãos no Kosovo".

Biden, que qualificou de "abertas e construtivas" suas conversas com Tadic, disse que Washington espera o apoio da Sérvia aos EUA e à UE para a criação de um Estado multiétnico na Bósnia-Herzegovina, país ainda dividido entre muçulmanos, sérvios e croatas, 14 anos depois da guerra civil.

Também pediu a Belgrado que complete sua cooperação com o Tribunal Penal Internacional para a Antiga Iugoslávia (TPII), que reivindica da Sérvia a captura e extradição de Ratko Mladic e Goran Hadzic, procurados por crimes de guerra.

Tadic lembrou que a visita de Biden é a primeira de um líder americano a Belgrado nos últimos 30 anos, desde a do presidente Jimmy Carter, em 1980.

Tadic disse que esta visita "pode abrir uma nova etapa na política americana em relação à Sérvia e aos Bálcãs ocidentais", e afirmou que esta é uma oportunidade para "estabelecer um novo nível de comunicações" entre os dois países.

O presidente reiterou que a Sérvia nunca reconhecerá a independência do Kosovo e que a proclamação unilateral de independência viola o direito internacional.

"Apesar das diferentes posturas a respeito do Kosovo, a Sérvia quer as melhores relações possíveis com os EUA. Há muitos temas que nos unem, que vemos da mesma maneira e nos quais podemos cooperar", disse. EFE Sn/an

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG