Vice Joe Biden, o embaixador de Obama ante os trabalhadores dos EUA

O vice-presidente eleito dos Estados Unidos, Joe Biden, representa um apoio-chave para Barack Obama graças a sua facilidade de se conectar com os trabalhadores e seu domínio sobre os temas internacionais.

AFP |

Joe Biden, que fará 66 anos no próximo dia 20, é um veterano do cenário político americano, conhecido por seu estilo direto e, com freqüência, por suas gafes.

Biden é presidente da comissão de Relações Exteriores do Senado, um cargo que lhe permitiu conhecer a maioria dos líderes políticos mundiais, e é um crítico ferrenho da administração do presidente George W. Bush.

Ele foi eleito senador pela primeira vez em 1972, quando Obama tinha apenas 11 anos de idade.

Senador pelo estado de Delaware, Biden demonstrou desenvoltura em matéria de política externa com uma viagem recente à ex-república soviética da Geórgia, a convite do presidente Mickhail Saakashvili em crise com a Rússia.

Católico, com um estilo sóbrio e direto, este político com sólidas raízes operárias ganhou votos para a campanha de Obama, cujo perfil universitário era considerado ligeiramente elitista por seus adversários no partido.

Alguns chegaram a temer que a presença de Biden na equipe de Obama poderia afetar as pretensões do líder negro de querer protagonizar uma mudança política em Washington.

Biden tem um discurso demorado e em determinadas ocasiões monótono, outra característica que lhe trouxe problemas durante a campanha eleitoral.

Ao mesmo tempo, Biden foi o político ideal para a luta verbal com os republicanos.

Sua presença foi bem recebida pelos eleitores dos estados industriais do norte e do leste do país, que o vêem como "um dos seus".

Ele nasceu em Scranton (Pensilvânia), uma das cidades americanas vítimas da decadência industrial, dentro de uma família católica de origem irlandesa.

Sua família se mudou para Delaware quando tinha 10 anos. Joe foi um dos primeiros membros da família a obter um diploma universitário.

Este senador, que perdeu a primeira mulher e uma filha em um trágico acidente de carro em 1972, tem um passado quase tão complicado como o de Obama, que fez de sua condição mestiça e de sua ascensão social o pilar de sua mensagem política.

Biden esteve a ponto de renunciar após a terrível morte de sua família, mas decidiu continuar graças ao encorajamento dos colegas.

Em 1988 viveu outro drama: os médicos detectaram nele aneurismas cerebrais. Ausente do Senado durante quase sete meses, Biden teve que permanecer acamado durante a convalescência.

Joe Biden também se apresentou em duas ocasiões para a indicação democrata para a disputar a presidência.

Há um ano, ele foi adversário de Obama nas primárias do partido, mas sua campanha foi curta, após um início difícil.

Biden não foi feliz em uma tentativa de elogiar Obama durante a campanha. "Ele é o primeiro afro-americano capaz de se expressar bem, é brilhante e é um homem preparado", disse em entrevista. "Ele parece um homem saído de um livro de contos", acrescentou ao jornal New York Observer.

Obama respondeu, dizendo que não se sentia ofendido. Assim, o deslize passou despercebido.

col/lm/fp

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG