Vice do Iraque quer referendo sobre permanência dos EUA

BAGDÁ (Reuters) - O vice-presidente sunita do Iraque defendeu nesta terça-feira um referendo para que a população avalie um eventual acordo sobre a permanência militar dos EUA no país. O acordo, que regulamentaria a presença militar norte-americana após o fim do mandato das Nações Unidas, que expira no fim do ano, prevê o final da ocupação em 2010, a não ser que Bagdá peça uma prorrogação.

Reuters |

O tratado já estava praticamente aprovado quando políticos iraquianos solicitaram uma revisão. Em nota, o vice-presidente Tareq Al Hashemi disse que esse é "um assunto importante e delicado", e que por isso "os iraquianos precisam dar sua opinião".

Até agora, não houve muita discussão sobre um possível referendo. O governo se compromete a aprovar o tratado em votação parlamentar, o que pode não ser muito fácil, já que há uma expressiva bancada ligada ao regime xiita do Irã, que é contra a presença dos EUA no Iraque.

Hashemi representa grupos minoritários sunitas no governo. O Iraque tem dois vice-presidentes.

O pacto com os EUA já está meses atrasado, e negociadores têm pressa em concluí-lo. Caso não haja definição até o final do ano, o Iraque deve solicitar uma prorrogação do mandato da ONU.

Washington deve responder nos próximos dias aos pedidos de emendas feitos por políticos iraquianos, especialmente a respeito das regras para que a Justiça local possa processar militares norte-americanos que cometam crimes.

Um assessor de Hashemi disse que o vice-presidente defende a inclusão do referendo nas eleições provinciais do fim de janeiro.

(Reportagem de Khalid al-Ansary)

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG