Vice de Morales acusa Judiciário de ingerência no caso de governador opositor

La Paz, 30 out (EFE).- O vice-presidente da Bolívia e presidente do Congresso, Álvaro García Linera, denunciou hoje a crescente ingerência do Poder Judiciário na investigação que o Legislativo faz sobre os violentos fatos ocorridos na região de Pando no mês passado.

EFE |

Em entrevista coletiva, o vice-presidente frisou que há "alguns juízes da Suprema Corte tentando interferir, bloquear e não reconhecer o funcionamento da comissão parlamentar especial e pluripartidária" que investiga o caso.

O Supremo estaria intimidando o procurador-geral da Nação, Mario Uribe, para que reassuma a direção da investigação, apesar de ele ter transferido essa função a uma comissão do Congresso.

Além disso, a Corte de Justiça de Sucre, sede do Poder Judiciário, ordenou que o ex-governador de Pando Leopoldo Fernández, acusado de provocar a onda de violência do mês passado, tenha seu caso tratado pelo Supremo e um julgamento especial, dada sua condição de ex-autoridade.

Nos conflitos ocorridos em setembro, 18 pessoas morreram, a maioria camponeses seguidores do presidente Evo Morales.

"Invocamos (o Judiciário) a adequar seu comportamento à lei e a suas competências, e a não desconhecer o funcionamento das comissões do Congresso", disse hoje o vice-presidente boliviano.

Por sua vez, Aurelio Valenzuela, advogado de defesa do ex-governador de Pando, disse à Agência Efe que processará as autoridades que resistirem ou se negarem a cumprir as determinações judiciais sobre a transferência de seu cliente para Sucre.

Segundo Valenzueka, caso as ordens do Judiciário sejam desrespeitadas, recorrerá a organismos internacionais como a Corte Interamericana de Direitos Humanos - da Organização dos Estados Americanos (OEA) - e o Tribunal Penal Internacional. EFE lav/sc

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG