Vice boliviano diz que opositores bloqueiam diálogo sobre Carta

La Paz, 15 out (EFE).- O vice-presidente da Bolívia, Álvaro García Linera, denunciou hoje que alguns setores minoritários, mas influentes da oposição não querem nenhum tipo de acordo sobre a nova Constituição e buscam bloquear o avanço do diálogo.

EFE |

García Linera se referiu assim aos trabalhos da comissão parlamentar, que tenta chegar a acordos sobre o projeto de Carta Magna impulsionado pelo oficialismo e sobre a convocação do referendo necessário para aprovar esse documento de forma definitiva.

Precisamente, amanhã está previsto que o Congresso, cujo presidente é García Linera, realize uma sessão para debater a lei de convocação par o referendo.

No entanto, o vice-presidente não deixou claro se chegará a realizar essa sessão do Congresso, que estaria em função, segundo ele, do avanço ou fracasso da comissão parlamentar sobre a Constituição.

"A partir de amanhã se abre a possibilidade de que em qualquer momento se inicie o debate no interior do Congresso, que dependerá do sucesso ou fracasso da comissão", disse García Linera.

O diálogo parlamentar aberto há seis dias "está avançando com dificuldades", ressaltou o vice-presidente, apesar de o Governo "estar mostrando uma enorme flexibilidade" para chegar a acordos.

Segundo García Linera, no entanto, alguns opositores "ultraconservadores" não vão ceder e "rejeitam toda aproximação".

O vice-presidente boliviano ressaltou que, por isso, "o Congresso tem que assumir o debate".

Enquanto as forças políticas tentam chegar a consensos sobre o projeto de Carta Magna, milhares de seguidores do presidente Evo Morales marcham rumo a La Paz para exigir o referendo constitucional, em uma mobilização que completou hoje seu terceiro dia e que espera chegar à cidade na próxima segunda-feira.

Sobre esse ato de pressão, García Linera destacou que se trata de uma manifestação "democrática e pacífica" dos setores sociais do país "para demonstrar sua vontade (...) de que se chegue aos acordos necessários". EFE lav/rr

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG