salvou Governo - Mundo - iG" /

Vice argentino diz que veto à alta de impostos ao campo salvou Governo

Buenos Aires, 16 dez (EFE) - O vice-presidente argentino, Julio Cobos, afirmou hoje que sua rejeição, em julho, a um esquema tributário que opôs o Governo com o campo impediu que o Executivo precisasse sair pelo conflito social causado pela medida. Cobos respondeu dessa forma a afirmações feitas na segunda-feira pelo ex-governante Néstor Kirchner (2003-2007), que, em um ato do governante Partido Justicialista (PJ), o qual preside, afirmou que o vice-presidente é uma máquina de impedir e de pôr obstáculos. Impedir o que? Sim, impedi uma explosão social em 17 de julho. A única coisa que impedi foi que talvez o Governo tivesse que sair, que tivéssemos todos que sair, afirmou Cobos em entrevista ao jornal Río Negro, da província homônima do sul do país.

EFE |

O vice aconselhou Kirchner a "ouvir mais" as "mensagens de cautela e comedimento" de sua esposa e sucessora na Presidência, Cristina Fernández de Kirchner.

"Não posso olhar somente Kirchner nos olhos, mas também o resto dos argentinos. Eu não mudei, nem decepcionei ou trai ninguém", acrescentou.

A polêmica entre o Governo e Cobos começou quando o vice definiu com seu voto a rejeição parlamentar a um aumento dos impostos às exportações de grãos, conflito que opôs durante quatro meses o Executivo ao setor agropecuário.

O Governo chamou de "traidor" Cobos, que, no ano passado, foi expulso da opositora União Cívica Radical (UCR), após aderir à aliança promovida por Kirchner. EFE cw/db

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG