Viagem pelo Sertão brasileiro abre participação latino-americana em Veneza

Miguel Cabanillas. Veneza (Itália), 4 set (EFE).- O diário audiovisual de uma agonizante viagem pela desértica região do Sertão no Brasil, obra dos diretores brasileiros Karim Aïnouz e Marcelo Gomes, abriu hoje oficialmente a participação latino-americana na 66ª edição do Festival Internacional de Cinema de Veneza.

EFE |

Os cineastas apresentaram nesta sexta-feira sua obra "Viajo Porque Preciso, Volto Porque te Amo", um documentário que conta a viagem de José Renato, um geólogo de 35 anos.

"Nosso objetivo era redescobrir este lugar com outro olhar.

Durante a viagem que fizemos para rodar o filme descobrimos que era mais complexo e estava menos isolado do que pensávamos", disse hoje Aïnouz durante a entrevista coletiva de apresentação do filme.

"Acho que cada país tem um 'Sertão', um lugar remoto e isolado.

Para mim, este filme foi como uma viagem ao passado", acrescentou.

Os cineastas, cujas famílias estão estreitamente ligadas a esta região brasileira, mostram em seu filme a face mais dura do deserto, na voz e na experiência de um geólogo que tem que analisar a viabilidade da construção de um canal de água para desviar o curso do principal rio da localidade.

Essa viagem de 30 dias pelo Sertão é narrada em primeira pessoa, com um protagonista ausente, de quem que só ouve a voz em constantes queixas. Os únicos rostos nesta espécie de "road movie" são os das pessoas que Renato encontra pelo caminho.

"Nossa viagem é falsa, mas é construída a partir de um diário. A intenção deste diário é a de fazer com que o filme, deste modo, pareça verdadeiro", disse Aïnouz.

Os autores introduzem assim o componente dos sentimentos do protagonista e aumentam a sensação de angústia na viagem, primeiro pela saudade do geólogo de sua ex-mulher e posteriormente por sua convicção de que terá de esquecê-la o mais rápido possível para deixar de sofrer.

Apesar de as experiências vividas pelo protagonista tenham acontecido em 30 dias de viagem, para os diretores fazer o filme foram necessários dez anos, pois as primeiras imagens de "Viajo Porque Preciso, Volto Porque te Amo" foram filmadas em 1999.

Há dez anos fizeram as imagens que utilizaram para compor um curta-metragem e que, posteriormente, serviu de base para este filme de 75 minutos de duração.

"Com este filme retomamos este sentido de liberdade que tínhamos, porque voltamos a trabalhar com um grupo reduzido", comentou Gomes.

"Foi muito lindo voltar a esses lugares e ver que tinham um potencial importante, porque foram tomadas em um momento no qual buscávamos entender o que era o cinema", disse Aïnouz.

Essa volta ao início da carreira de ambos os diretores serviu também para demonstrar que em tempos de crise econômica é possível apostar em outra forma de fazer cinema, nas quais se pode capturar imagens e selecionar músicas de modo mais simples.

"Viajo Porque Preciso, Volto Porque te Amo", filme que chega a Veneza dentro da seção "Orizzonti", é o primeiro projetado dos cinco latino-americanos que estarão em cartaz nesta edição da mostra. EFE mcs/dm/ma

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG