Venezuela terá empréstimo russo de US$ 2 bi para armas, diz Chávez

A Rússia concordou em emprestar mais de US$ 2 bilhões para a Venezuela para a compra de armas, disse neste domingo o presidente venezuelano, Hugo Chávez. O crédito será usado para compra de 92 tanques e um sistema de lançamento de foguetes S-300 da Rússia.

BBC Brasil |

Em seu programa semanal na televisão Alo, Presidente, Chávez disse que as armas devem aumentar a capacidade de defesa da Venezuela.

O acordo foi assinado em meio a tensões entre a Venezuela e a Colômbia, depois que o governo colombiano anunciou que pretende permitir o uso de algumas de suas bases militares por tropas dos Estados Unidos.

A Colômbia afirma que as forças americanas vão ajudar na guerra contra drogas e guerrilhas esquerdistas, e não vão desestabilizar a região.

Segundo Chávez, o governo russo aprovou o financiamento de US$ 2,2 bilhões. O venezuelano sugeriu que a decisão colombiana é uma ameaça à segurança venezuelana e que a compra de armas dificultará um eventual ataque ao seu país.

"Com estes foguetes, ficará muito difícil para que eles [os Estados Unidos] venham e nos bombardeiem. Se isso acontecer, eles deveriam saber que nós vamos instalar em breve estes sistemas", disse.

Chávez disse que as vastas reservas petrolíferas e de gás do país precisam ser protegidas militarmente.

"Nós temos as maiores reservas de petróleo do mundo. O império está de olho nelas", disse ele, sobre os Estados Unidos.

"A Venezuela não tem planos para invadir ninguém ou atacar ninguém. Estas armas são necessárias para a nossa defesa nacional."
Ele disse que o seu governo busca desenvolver tecnologia nuclear com a ajuda russa.

"Com a Rússia, nós criamos uma comissão de energia atômica e eu digo ao mundo: a Venezuela vai começar a desenvolver tecnologia nuclear, mas nós não vamos fazer uma bomba atômica."
Nos últimos anos, a Venezuela assinou acordos com a Rússia para compra de armas que totalizam mais de US$ 4 bilhões. Entre os itens negociados estão 24 jatos Sukhoi e mais de 100 mil rifles Kalashnikov.

No ano passado, os dois países fizeram exercícios militares conjuntos no Caribe. Chávez também anunciou recentemente que a Venezuela reconhecerá a independência da Abecásia e da Ossétia do Sul, regiões separatistas da Geórgia. A Rússia e a Nicarágua já reconhecem a independência das regiões.

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG