Venezuela se mobiliza para enviar de volta diplomata expulso por Israel

Caracas, 31 jan (EFE).- O Governo da Venezuela disse hoje que, com o apoio da Organização das Nações Unidas (ONU), promoverá uma campanha diplomática para que seu representante na Autoridade Nacional Palestina (ANP), expulso por Israel, volte a Ramala, no território palestino da Cisjordânia.

EFE |

"Nos próximos dias, anunciaremos as ações diplomáticas que vamos tomar para que a Venezuela restitua, com o apoio das Nações Unidas, seu representante na Autoridade Nacional Palestina (ANP)", disse o ministro das Relações Exteriores da Venezuela, Nicolás Maduro.

O anúncio do chanceler foi feito em Caracas, durante a recepção oficial a Roland Betancourt, encarregado de negócios da Venezuela em Israel, e Jonathan Velásquez, representante venezuelano na ANP, ambos expulsos esta semana pelo Governo israelense.

Maduro afirmou que Velasco "foi ameaçado e pressionado" pelas autoridades israelenses para que deixasse Ramala, motivo pelo qual o Governo de Hugo Chávez decidiu "proteger sua vida" trazendo-o de volta a Caracas.

"Temos que resguardar a vida de nossos representantes frente a um Estado acostumado ao abuso. A elite que governa Israel tem uma mentalidade que a levou a cometer crimes e violações permanentes aos mandatos da ONU e ao Direito Internacional", disse Maduro ao explicar o retorno de Velasco.

Ao se referir à recente invasão israelense a Gaza, o chanceler venezuelano disse ainda que as imagens exibidas pela televisão "lembram a devastação provocada pelos nazistas" no Leste Europeu durante a 2ª Guerra Mundial.

Além disso, mostrou-se convencido de que "mais cedo do que nunca" o povo palestino terá um Estado soberano e um território próprio.

EFE rr/sc

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG