Venezuela quer proibir banqueiros de possuir meios de comunicação

Medida é mais uma ação contra a rede opositora Globovisión, que tem como um de seus acionistas o presidente do Banco Federal

iG São Paulo |

A Assembleia Nacional da Venezuela avaliará uma reforma da lei do sistema bancário, proposta pelo Executivo, que proíbe donos e diretores de meios de comunicação de ter participação acionária em instituições financeiras do país.

A reforma busca "inabilitar diretores e donos de instituições financeiras a ser ao mesmo tempo acionistas de meios de comunicação", explicou nesta quarta-feira o vice-presidente Elias Jaua, depois de uma reunião com parlamentares, aos quais apresentou a proposta.

A iniciativa "é destinada a desmantelar essa perversa relação meios de comunicação-setor financeiro", declarou Jaua.

O governo refere-se ao caso do Banco Federal, que será liquidado depois de ter sido fechado em junho pelas autoridades . O presidente da instituição, Nelson Mezerhane, é também um dos principais acionistas do canal Globovisión, o mais crítico ao governo venezuelano de Hugo Chávez.

Sobre Mezerhane, foragido da Justiça, pesa uma ordem de prisão por fraude. Segundo Jaua, os diretores do Banco Federal enviavam mensagens por meio da Globovisión para "enganar os correntistas", induzindo-os a depositar seu dinheiro nessa instituição.

"Queremos evitar que os correntistas, que são quase 7 milhões de venezuelanos, sejam novas vítimas de uma relação como a do Banco Federal e a Globovisión", afirmou o vice-presidente.

A presidente da Assembleia Nacional, Cilia Flores, anunciou, por sua vez, que o projeto de reforma será "aprovado com urgência parlamentar em primeira discussão" na sessão de quinta-feira, para posteriormente ser reenviado à Comissão de Finanças, que o analisará para submetê-lo a uma segunda leitura.

A Assembleia, unicameral, é dominada pelo chavismo e abriga apenas um pequeno grupo de opositores. O Banco Federal foi fechado em 14 de junho pelo governo, que afirmou que essa instituição privada de tamanho médio atravessava uma séria crise econômica, agravada pela falta de liquidez.

    Leia tudo sobre: VenezuelaHugo ChávezintervençãobancoGlobovisión

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG