Caracas, 17 mai (EFE).- O Governo venezuelano anunciou hoje que iniciará um processo para colocar fim ao latifúndio no setor de telecomunicações, e que, para isso, convocará todos os veículos de comunicação que atuam no país para que atualizem seus dados no órgão regulador do setor.

O ministro de Obras Públicas e Casas, Diosdado Cabello, afirmou que, "em breve", a Comissão Nacional de Telecomunicações (Conatel) convocará todas as emissoras de rádio e televisão que operam no país para que "atualizem seus dados" nesse órgão regulador, subordinado a seu escritório desde a última quinta-feira.

"Vamos trabalhar na eliminação do latifúndio nas telecomunicações", o que satisfará àqueles "que esperam pela democratização da imprensa", afirmou Cabello no marco de um ato do Partido Socialista Unido da Venezuela (PSUV), do presidente Hugo Chávez.

O ministro fez o anúncio em um momento em que setores da oposição e sindicatos jornalísticos locais denunciam as supostas "ameaças de fechamento" da emissora privada de notícias "Globovisión" por parte do Governo, que acusa o canal de liderar a "oposição golpista" do país.

Nos últimos meses, a Conatel abriu três processos administrativos contra a "Globovisión" que poderiam acarretar sanções que vão desde o fechamento durante 72 horas até a retirada da concessão por "reincidência", conforme explicou no dia 7 o representante legal da cadeia, Daniel Betancourt.

O Estado é o administrador do espectro radioelétrico e, em uso desse poder legal, o Governo de Chávez não renovou, em maio de 2007, a concessão da emissora "Radio Caracas Televisión" ("RCTV"), com o argumento de era uma cadeia "golpista". EFE gf/db

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.