Venezuela nega que país ajude Irã a violar sanção

O ministro de Relações Exteriores da Venezuela, Nicolás Maduro, negou neste domingo que seu governo colabore com o Irã no transporte de tecnologia militar à Síria, ação que, se confirmada, representaria violação de uma resolução das Nações Unidas. A acusação foi publicada na edição deste domingo do jornal italiano La Stampa, que afirma que o governo iraniano utiliza os vôos comerciais da companhia aérea venezuelana Conviasa na rota Teerã-Damasco-Caracas para transportar material relacionado a mísseis à Síria.

BBC Brasil |

"Chávez permite a Ahmadinejad operar livremente seus próprios aviões de linha e obtém em troca ajudas militares", afirma o jornal, que diz ter baseado sua informação em um relatório da CIA, a agência de inteligência dos Estados Unidos.

Em troca do transporte, Chávez receberia de seu colega iraniano, Mahmoud Ahmadinejad, ajuda nas áreas de segurança e de formação na polícia de inteligência venezuelana, diz o jornal italiano.

Ainda de acordo com o La Stampa, estariam sendo transportados "computadores de controle de mísseis e material para o desenvolvimento de veículos, começando pela fabricação de seus motores".

Para o chanceler Maduro, as acusações fazem parte de uma campanha da imprensa internacional contra a Venezuela. "A Venezuela atua apegada ao direito internacional. Temos um vôo sul-sul para incrementar o turismo entre América do Sul e o Oriente Médio. Nossa cooperação com o Irã são acordos de paz", afirmou o chanceler Nicolás Maduro em entrevista coletiva.

Programa nuclear

Entre os fabricantes do material transportado, segundo o La Stampa, estaria o grupo industrial iraniano Shahid Bagheri, listado entre as empresas afetadas pelas sanções da resolução 1737 do Conselho de Segurança da ONU "por envolvimento no programa de mísseis do Irã".

O documento das Nações Unidas determina que os países não façam "o fornecimento, venda ou transferência" de material e/ou tecnologia que possam ser utilizados para o desenvolvimento de armas que possam carregar conteúdo nuclear ou que façam parte do programa nuclear do Irã.

"Teerã foi capaz de encontrar, graças aos aviões garantidos por Caracas, um sistema de transporte com o qual evitar os crescentes problemas aos quais enfrenta na importação e exportação de material proibido após os mais rígidos controles realizados pelas autoridades turcas", disse o La Stampa.

O governo iraniano nega que esteja desenvolvendo armas nucleares e sustenta que seu programa nuclear tem fins pacíficos.

Venezuela e Irã mantêm vários acordos de cooperação econômica, principalmente nas áreas energética e automotiva, e o governo Chávez é considerado o principal aliado do Irã na América do Sul.

    Leia tudo sobre: irãvenezuela

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG