Venezuela nega acusação dos EUA de vínculo nuclear com Irã

Por Anthony Boadle WASHINGTON (Reuters) - A Venezuela disse que não ajuda o Irã no campo nuclear e que bancos venezuelanos não têm vínculos financeiros com instituições iranianas, negando as acusações feitas pelo promotor federal de Nova York, Robert Morgenthau, segundo uma carta divulgada nesta segunda-feira.

Reuters |

O embaixador venezuelano nos EUA, Bernardo Alvarez, enviou a mensagem a Morgenthau, na qual qualifica suas acusações de "vergonhosas" e de fazer parte de uma "campanha suja" contra o governo do presidente da Venezuela, Hugo Chávez, um duro crítico de Washington.

Morgenthau disse na semana passada que o Irã se aproveitava do sistema financeiro venezuelano para escapar de sanções internacionais e poder adquirir materiais para seu programa de tecnologia nuclear e desenvolvimento de mísseis.

Entre as acusações, feitas pelo promotor durante conversa no centro de investigação Brookings Institution e num artigo publicado no Wall Street Journal, ele afirmou que misteriosas fábricas iranianas em zonas rurais da Venezuela têm condições de produzir armas.

Como resposta, o representante diplomático da Venezuela em Washington disse a ele que "as acusações que o senhor apresenta em sua exposição são simplesmente vergonhosas e carentes de fundamento".

"O que o senhor refere em seu discurso como fábricas suspeitas fornecem aos venezuelanos comuns alimentos, equipamentos agrícolas e de transporte, materiais de construção, produtos plásticos, bicicletas, entre outros bens de consumo", acrescentou ele na carta a Morgenthau, cuja cópia foi obtida pela Reuters.

Morgenthau afirmou que está investigando a ameaça que representam os crescentes laços financeiros entre Venezuela e Irã e indicou que anunciará os resultados em um mês.

O promotor norte-americano disse ainda que a Venezuela poderia estar explorando suas reservas minerais de urânio para o Irã. Apesar de o país sul-americano ter volumosos depósitos de urânio, não existe nenhuma evidência de que o país petrolífero planeja explorá-los.

Chávez, que defende a ideia de que os EUA podem atacar militarmente a Venezuela devido às suas reservas de petróleo, disse no domingo que está interessado no desenvolvimento da energia nuclear, mas sem intenções de produzir uma bomba atômica.

(Reportagem de Anthony Boadle)

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG